Jornais ganham um dólar no digital e perdem sete no impresso

jornaisOs jornais norte-americanos ganham, em média, um dólar (76 cêntimos) com publicidade no meio digital, por cada sete dólares (5,32 euros) perdidos no meio impresso. A conclusão é de um estudo do Pew Research Center, centro de pesquisa de informações sobre imprensa, política e questões públicas, que adiantou ainda que a maioria das publicações não está a investir o suficiente nas novas categorias digitais.

Além disso, as previsões do mesmo centro de pesquisa apontam para que as redacções continuem a diminuir, já que mais jornais darão por terminada a sua actividade e os sobreviventes terão edições impressas em apenas alguns dias da semana. Tom Rosenstiel, director do Projecto para a Excelência no Jornalismo, inserido no Pew Research Center, afirmou que as publicações que estão a ser mais bem sucedidas são aquelas que «fizeram um maior esforço para mudar as suas equipas de vendas, que impulsionaram o digital mesmo com o risco de investir menos em categorias mais antigas, que pagam as contas, que correram mais riscos – aqueles que lutaram contra a profunda “inércia” que muitos executivos descrevem», adianta o The New York Times.

O estudo identifica vários desafios para os jornais, no que toca a vendas. Algumas das publicações contempladas na investigação batalharam por vender anúncios mobile, por recrutar representantes de vendas de publicidade digital e por lucrar com descontos diários, semelhantes aos do Groupon.

Ainda de acordo com o relatório do Pew Research Center, “apenas 40% dos jornais afirma que a publicidade segmentada é uma grande parte dos seus esforços de vendas. A maior parte dos jornais não está a alocar um grande esforço a vender anúncios digitais “inteligentes” e customizados, a categoria que se prevê dominar em breve a publicidade local”.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
MultiOpticas continua a apostar no apoio a crianças e jovens em risco
Automonitor
Novo Renault Captur com classificação máxima no EuroNCAP