Seniores na Internet: segurança e critérios de compra

As gerações mais velhas são alvos mais apetecíveis para os hackers e piratas informáticos que utilizam o mundo online para cometer burla e fraude. Um estudo realizado pela Kaspersky Lab revela que as faixas etárias acima dos 55 anos são as mais vulneráveis por terem comportamentos pouco seguros.

Depois de inquirir mais de 12.500 pessoas de todo o mundo, a Kaspersky Lab concluiu que os utilizadores acima dos 55 anos apostam menos nas configurações de privacidade nas redes sociais e motoros de busca face a outros grupos etários (30% vs 38% ). O estudo “Mais velho e mais esperto? Um olhar sobre as ameaças que os maiores de 55 sofrem online” indica ainda que apenas 16% evita partilhar informação quando está cansado (vs 31% entre as gerações mais jovens).

Quatro em cada dez também se colocam em perigo através da partilha pública de detalhes financeiros, cenário apenas encontrado nas respostas de 15% das restantes faixas etárias. A consequência poderá mesmo ser a fraude: 20% dos utilizadores de Internet dizem ter familiares mais velhos que já se depararam com software malignos e 14% diz já ter sido aliciado por preços falsificados.

Quais os critérios de compra?

Um outro estudo, realizado pelo Observador Cetelem, revela quais os principais critérios que levam os consumidores seniores a escolher a Internet como meio de compra. Para os consumidores portugueses como mais de 50 anos, o preço (87%), a qualidade (62%) e o factor ambiental e de consumo de energia (53%) são os principais temas a pesar na hora de escolher que produto comprar.

Estes dados contrastam com os europeus, já que as gerações mais velhas preferem, na generalidade, colocar o ambiente apenas na quinta posição da lista de factores que influenciam a compra. Em terceiro fica a funcionalidade e em quarto as promoções. Em linha com as preocupações ecológicas dos portugueses apenas estão os húngaros e os espanhóis.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo