Nissan bate recordes em 2017

A Nissan encerrou o ano fiscal de 2017 com um aumento de 17,1% no seu negócio em Portugal, alcançando 14.553 unidades vendidas, número que representa um recorde para a marca nipónica no País.

Outro marco histórico para a marca prende-se com a quota de mercado que, pela primeira vez, alcançou os 5,5% (+0,4% que em 2016).

«Estes resultados devem-se ao facto de a Nissan ter todos os argumentos necessários para crescer no mercado, contando com uma gama de produtos muito forte. O Qashqai, por exemplo, aumenta o volume de vendas a cada ano, mesmo tendo em conta a concorrência cada vez mais feroz no segmento de crossovers», vinca Antonio Melica, director-geral da Nissan em Portugal.
A propósito deste modelo, o Qashqai teve um aumento de 12% nas unidades vendidas, ultrapassando, pela primeira vez, a barreira das seis mil viaturas (6369), tendo agora 19% da quota de mercado do segmento crossover.

A registar também a evolução do Nissan Micra, modelo que mais que duplicou o número de viaturas vendidas em 2016. Juntamente com o modelo Note, estas viaturas alcançaram um crescimento de 120% no último ano.

O valor atribuído à marca tem, igualmente, crescido. Segundo um estudo da Interbrand, a Nissan ocupa o 39.º posto das marcas mais reconhecidas, uma melhoria significativa tendo em conta o 90.º lugar que ocupava em 2011.

A mobilidade eléctrica é outro dos pontos fortes da Nissan. Depois de em 2017, entre Abril e Setembro, ter comercializado cerca de 400 unidades eléctricas, as expectativas para 2018 são bem mais elevadas. Aliás, nos últimos sete meses, o Nissan Leaf já ultrapassou as mil encomendas, tantas quantas a primeira geração do veículo alcançou em sete anos. «Esperamos atingir a marca das 1800 unidades eléctricas em 2018, o que representaria cerca de 15% do volume da marca no mercado nacional», vinca Antonio Melica.

Em termos de objectivos para 2018, tendo em conta a nova directiva sobre as emissões poluentes (que deverá levar ao aumento dos impostos e do preço dos motores), a marca reconhece que será um ano de grandes desafios mas, também, de oportunidades. «Temos noção de que os clientes mostram-se cada vez mais exigentes e menos fiéis às marcas. É por isso que vamos focar-nos em satisfazer as expectativas dos clientes com experiências personalizadas», refere o responsável da marca em Portugal.

De olhos postos no futuro… hoje

Na apresentação de resultados da Nissan, Antonio Melica abordou ainda o programa M.O.V.E. 2022, assente nos conceitos de mobilidade, operacionalidade, valor e electrificação. Esta iniciativa aponta à venda de um milhão de unidades eléctricas vendidas todos os anos no espaço de quatro anos. «Queremos oferecer alternativas de mobilidade e vamos investir nesta área, nomeadamente com apostas na electrificação de veículos e na condução autónoma. Segundo as estatísticas da Bloomberg, prevê-se que a procura por veículos eléctricos será de 30% em 2040. Queremos antecipar estas tendências e reforçar a nossa oferta», afirma o director-geral.

Texto de Rafael Paiva Reis

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Outubro 2019
Automonitor
Já viu o novo ultracompacto 100% elétrico da Toyota?