Em movimento no surf

A EDP iniciou-se no desporto com o apoio à modalidade de atletismo há 23 anos. Hoje em dia, está presente em mais de 20 corridas em Portugal e Espanha e esta aposta faz com que a marca se afirme actualmente como “a energia oficial do desporto”. Mas, além da corrida, a marca também está presente no surf, onde tem vindo a cimentar o seu apoio à modalidade.

Desde 2010, a marca está nesta modalidade e, actualmente, apoia três projectos. Estes são desportos que cumprem o objectivo central de promover hábitos de vida saudáveis através da prática desportiva, ao ar livre, em contacto com a natureza. «O surf, em particular, tem ainda a vantagem adicional de ser um excelente veículo de exportação e de promoção de Portugal no exterior. É, portanto, um encaixe perfeito na matriz da EDP. O grupo promove a sustentabilidade, ambiental, social e económica e a água é um dos principais recursos que nos permite produzir energias renováveis», explica Ana Sofia Vinhas, directora de Marca da EDP.

Para além do apoio a eventos desportivos, a EDP apoia diversos outros projectos com o principal objectivo de estabelecer contacto com actuais e futuros clientes. «No desporto, mas principalmente no surf, esta estratégia passa por estar junto de uma camada de público mais jovem. Sendo o atletismo um desporto de massas, este contacto torna-se mais abrangente e conseguimos chegar a qualquer camada da população contribuindo para uma maior prática do desporto», afirma Ana Sofia Vinhas.

Mais um ano de apoio

Em Setembro, decorreu, na praia Ribeira D’Ilhas, mais uma edição do EDP Billabong Pro Ericeira, uma competição apoiada pela marca há sete anos, na qual é naming sponsor. Sendo uma prova que pertence ao circuito mundial de surf (WSL) e com uma das pontuações mais elevadas do campeonato (QS 10 000), o envolvimento dos surfistas é, inevitavelmente, maior e isso faz com que a comunicação à volta desta competição seja também mais elevada. E destaca-se ainda o facto de terem participado na competição surfistas de 19 nacionalidades.

«É muito interessante ver este tipo de campeonatos serem disputados por profissionais a nível mundial, com o apoio de uma camada mais jovem de surfistas que aspiram a, um dia, estar também na água a competir a este nível. O vencedor da prova foi o brasileiro Samuel Pupo, com apenas 18 anos, cujo irmão tinha ganho a etapa anterior, e isso fez com que a vitória, para além de ser vivida com grande alegria, fosse também vivida em espírito familiar», salienta Ana Sofia Vinhas.

Apesar do apoio durar há sete anos, este foi o terceiro ano em que a EDP se assumiu como naming sponsor do evento. «É uma prova que tem uma grande projecção a nível internacional e onde os surfistas conseguem pontuação para estarem presentes no WCT de Peniche, onde também estamos presentes como sponsor. Este ano o evento vai continuar a ser muito relevante para a competição, o que faz com que a marca seja projectada a nível internacional», refere a responsável da marca de energia.

A directora reforça que, tendo a EDP Billabong Pro uma grande projecção internacional e de grande relevância para o campeonato mundial, a EDP, ao estar associada a este evento como naming sponsor, consegue também aumentar a sua notoriedade fora de Portugal. «O facto de ser um desporto praticado por um público mais jovem permite à marca uma maior aproximação a esta camada da população, com a qual queremos estabelecer algum tipo de relação, alertando para a necessidade de cuidados a ter com a limpeza das praias», vinca Ana Sofia Vinhas.

Enaltecer as grandes ondas portuguesas

O projecto “EDP Mar Sem Fim” foi criado com o intuito de apoiar e projectar o surf e os surfistas de ondas grandes portuguesas. Assim, o projecto Mar Sem Fim (MSF) pretende ser uma plataforma de visibilidade, comunicação e divulgação dos surfistas portugueses de ondas grandes e pretende apoiar estes atletas na busca dos seus sonhos e superação dos seus limites.

«O EDP Mar Sem Fim é um projecto pioneiro de descoberta de ondas grandes, perfeitas, desconhecidas e inexploradas, que pretende funcionar também como uma plataforma de visibilidade, comunicação e divulgação dos surfistas portugueses de ondas grandes, promovendo o desenvolvimento do surf e do turismo em Portugal», explica Ana Sofia Vinhas.

O projecto visa, essencialmente, desenvolver o surf de ondas grandes no País, através de um conjunto de explorações com alguns dos melhores e mais consagrados surfistas de ondas grandes em Portugal, complementado com a atribuição de bolsas de exploração aos surfistas que melhor cumpram os objectivos do projecto. Aliás, as bolsas são um de quatro pilares do projecto, havendo um fundo de apoio que pretende atribuir anualmente uma bolsa ao melhor surfista português para competir no mundial de ondas e, originalmente, para também apoiar expedições de surf de ondas grandes e perfeitas, em Portugal.

Os outros pilares são as expedições, consistindo na realização de missões de exploração e reconhecimento de novas ondas com potencial para quebra de recordes e realização de um evento. Segue-se o Hangar Nazaré, um espaço de treino e preparação dos surfistas portugueses de ondas grandes no porto da Nazaré. E, por último, Prémios, pela cerimónia que distingue, anualmente, através de votação do público e/ou painel de juízes aos surfistas portugueses, os protagonistas que mais se tenham destacado ao longo da temporada de ondas grandes.

Novo claim deu o mote

Em Maio deste ano, a EDP anunciou um novo posicionamento: “Let’s Go”. Trata-se de um statement, uma afirmação e um comportamento da marca através do qual pretende que os portugueses se sintam desafiados. «O mundo de hoje é dinâmico e as marcas também têm de ser. Com esta atitude, a EDP pretende levar as pessoas a desafiar-se e a viver cada momento. Queremos ser um catalisador desta mudança e, por isso, escolhemos a assinatura “Let’s Go” para os eventos de música e desporto que apoiamos», explica Ana Sofia Vinhas.

Este compromisso foi materializado através da oferta de entradas para eventos patrocinados pela marca, como é o caso deste campeonato de surf, e através da presença nos locais onde o mesmo se realizou, feita a partir de um camião auto-sustentável.

Neste camião decorrem diversas acções, concebidas tendo como objectivo aproximar os participantes da marca e dos seus valores como a sustentabilidade.

«No âmbito do campeonato EDP Billabong Pro Ericeira, fizemos uma parceria com o artista Fillipo Fiumani, com o objectivo de alertar e sensibilizar para a temática de reciclagem e uso de plásticos. O artista esteve a trabalhar com alunos de escolas locais para os ensinar a personalizar máscaras e cadernos feitos de plásticos reciclados», recorda Ana Sofia Vinhas.

Para além destas actividades, o artista
Fillipo Fiumani criou uma peça construída com recurso a três pranchas de surf que estavam em fim de vida, estando esta peça em leilão na plataforma esolidar.com. Todas as receitas reverterão a favor do Clube de Surf da Ericeira com o objectivo de proporcionar aulas e material de surf a crianças e jovens carenciados.

Na maior onda de sempre

No dia 23 de Junho de 2018, na praia da Fonte da Telha, em Almada, que Portugal conseguiu mais uma conquista: o recorde do Guinness de maior aula de surf do mundo. A confirmação oficial chegou no dia 19 de Dezembro do último ano.

O desafio era conseguir bater o recorde já existente em Sydney, na Austrália, e o objectivo foi alcançado. Com o apoio da EDP, o surfista Tiago Pires convidou quase 300 escolas de surf de todo o País, tendo levado 327 pessoas a participar naquela que seria a maior aula de surf do mundo.

Para além do recorde alcançado, durante a aula, os participantes tinham um nariz vermelho com o objectivo de ajudar a Operação Nariz Vermelho, instituição que desenvolve um programa de intervenção nos serviços pediátricos dos hospitais portugueses, através da visita de palhaços profissionais.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Deloitte tem nova liderança no Marketing e Comunicação
Automonitor
Elétricos: Galp vai inaugurar primeiro ponto de carregamento em São Miguel