A “arte” de transformar apresentações em experiências

Por Eduardo Adas, sócio fundador da SOAP – State of the Art Presentations

Quando se fala em “experiência”, as grandes referências são os festivais de música, os casinos de Las Vegas ou o universo encantado da Disney. De facto, estes são exemplos de momentos memoráveis. Mas, a verdade é que uma experiência marcante nem sempre precisa ser tão grandiosa e distante. É possível fazer algo bem mais simples e acessível e, ainda assim, causar um grande impacto na audiência. Assim como um espectáculo de música, uma apresentação também pode ser igualmente marcante.

Experiência é tudo aquilo que desperta algo em alguém. São reacções a estímulos externos recebidos em diversas situações. Percebemos que algo foi marcante quando há a necessidade de partilhar o acontecido. Os impactados prendem-se a detalhes do momento vivido e tentam transmitir a emoção sentida contando para os amigos que não vivenciaram o momento. O acto de querer contar os detalhes de uma situação para outra pessoa é o que caracteriza uma experiência, seja ela boa ou ruim.

Dessa forma, investir em experiências passa a ser uma óptima oportunidade de venda para as empresas. Se ela for boa para os primeiros, e eles tecerem opiniões, certamente outros potenciais compradores desejarão fazer o mesmo. Da mesma forma, se ela for ruim, as consequências poderão ser desastrosas.

Uma apresentação é o momento de convencer o público e gerar engagement. Quanto melhor e mais intensa for a experiência vivida, mais sentimentos serão despertados e melhor será o resultado. Esse despertar de sentimentos vale inclusive – e principalmente – para os mais diversos contextos: seja para celebrar bons resultados, para divulgar metas, apresentar um novo produto ou promover algum serviço, a apresentação precisa fazer parte da experiência.

E, para garantir que a mensagem principal é captada, nada melhor do que relacionar a apresentação com o quotidiano das pessoas. Vale fazer metáforas e analogias ligadas ao dia-a-dia do público e criar narrativas ao redor da mensagem. Desta forma, a audiência envolve-se com o conteúdo apresentado e não fica de olho no relógio, ansiosa pelo fim da apresentação.

Pensando nisso, enumero quatro dicas para cativar o público e fazer apresentações no estado da arte:

1 – Conheça o seu público e defina um tema central: saber com quem está falando é a regra número um. Quando se conhece a audiência, fica muito mais fácil pensar em como transmitir o conteúdo de uma forma que seja facilmente captado. Numa apresentação, existe uma mensagem principal que precisa ser transmitida. Sempre há uma ideia a ser comunicada que deve estar interligada ao tema central. Vale apostar na interacção e traçar um roteiro pré-estabelecido, interligando as partes entre si. Por mais denso que seja o conteúdo, dessa forma ele será assimilado de forma mais fluida e subtil pelo público;

2 – Crie uma identidade visual: a ligação entre os discursos deve permear também a identidade visual. Todos os detalhes da palestra devem “conversar entre si”. Desde a performance dos apresentadores até ao visual da apresentação, que deve fazer um “resumo” do tema central e da finalidade da própria palestra;

3 – Traga o universo da plateia para a apresentação: é mais fácil envolver as pessoas quando elas se identificam com o conteúdo. Apresente uma história com enredo, personagens e situações reais que liguem o público ao tema. Pense que a apresentação deve destacar-se e que o conteúdo tem que marcar a plateia. E, nada melhor do que tocar na emoção para conquistar espaço na memória das pessoas. Vale também apelar à emoção. Despertar sentimentos como empatia e orgulho ajudam a gerar conexão e estimular o engagement;

4 – Call to action: para finalizar, convide o público a fazer algo com o que foi transmitido na apresentação. Tenha a certeza de que a mensagem não se vai perder. Afinal, a sua palestra foi organizada para passar um recado. E é bom garantir que a audiência se lembre do que deve ser feito logo após a apresentação. Seguindo essas dicas, você estará muito mais preparado para criar apresentações no estado da arte e proporcionar experiências incríveis ao seu público.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Airbus vai ter open day. Há 90 vagas para fábrica portuguesa
Automonitor
Nissan LEAF em modo drift