Portugueses dispostos a pagar mais por produtos nacionais

Em Portugal, 31% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos de origem nacional. A conclusão é do estudo “ShopperTrends” da Nielsen, segundo o qual os portugueses estão cada vez mais atentos e preocupados com o sítio de onde vem aquilo que compram: 72% dos clientes considera a origem importante no momento de escolher os produtos a levar para casa.

Ana Rei, Client Development manager da Nielsen, explica à Marketeer que esta é uma tendência que tem vinho a ganhar força. «Já em 2015, o relatório internacional ‘Estudo Global de Confiança dos Consumidores’ reflectia essa tendência e concluía que a Fruta, Vegetais e Carne (74%, 74% e 72% respectivamente) eram as categorias onde há uma maior tendência por optar por produtos locais. O leite (63%) também é um produto bastante procurado no que se refere aos produtos nacionais», sublinha.

Contudo, o preço ainda é também um factor de peso, uma vez 60% dos consumidores apenas opta pelos produtos de origem portuguesa se registarem o mesmo preço que os restantes.

O mesmo estudo indica que a preocupação com uma alimentação saudável é importante para 70% dos compradores portugueses e que a conpra de frutas e legumes, carnes brancas e peixe reflecte isso mesmo. Os shoppers estão a evitar comprar produtos com alto teor de gordura e açúcar e comida processada. Além disso, 34% assume beber muita água.

Iogurtes biológicos (+200%), cereais (e mais especificamente os muesli e granola) (+60%), pão e bolachas diet (+29% e +22% respectivamente), arroz integral (+20%), charcutaria de aves (+18%) e bebidas vegetais (+7%) são as categorias com crescimento em destaque, nos últimos dois anos.

Escolher a loja certa

A Nielsen garante que é essencial para os retalhistas identificar os factores que são determinantes na escolha das lojas, já que 69% dos portugueses considera que compensa o esforço de escolher a loja certa. Adicionalmente, 46% garante ser fiel a uma só loja.

«A escolha da loja onde comprar vai além de bons preços e boas promoções, sendo os produtos frescos e a conveniência factores determinantes», aponta Ana Rei. «Para os retalhistas elevarem o Store Equity das suas insígnias é crítico apostar na variedade e qualidade dos produtos frescos. Os shoppers procuram ainda que o processo de compra seja fácil e rápido», acrescenta a mesma responsável.

Promoções

Os portugueses são especialmente sensíveis às promoções, quando comparados com os seus pares de outros países. A afirmação é de Ana Rei, que elege a elevada actividade promocional desde há uns anos como grande culpada desta tendência.

Contudo, «já se começa a notar uma maior selectividade (aumentam os shoppers que apenas compram quando realmente gostam da marca», o que poderá ser uma boa notícia para fabricantes e retalhistas: «Há espaço para apostar em qualidade, conveniência e inovação». Ana Rei garante que, apesar de continuarem atentos aos preços e às promoções, os portugueses «estão mais dispostos a pagar um valor extra por drivers como a conveniência (54%) e a qualidade (68%) e há uma maior adesão à inovação (aumentam os shoppers que gostam de experimentar novos produtos/marcas – 19% vs. 13% no ano anterior)».

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Portugal atraiu 610 estrangeiros «altamente qualificados» através deste programa
Automonitor
Regulamento da mobilidade elétrica obriga a celebrar contratos de adesão