Portugal sobe no ranking do talento mundial

O relatório Global Talent Competitiveness Index (GTCI) de 2018 coloca Portugal no 29.º lugar dos países mais talentosos do mundo, uma subida de dois lugares face ao último estudo.

Este ranking, relativo ao ano de 2016, diz respeito à competitividade do talento, medindo a forma como países e cidades o aumentam, atraem e retêm, proporcionando um recurso único a decisores, potenciando o desenvolvimento de estratégias competitivas.

O estudo, publicado pelo INSEAD, em parceria com o Grupo Adecco e a Tata Communications, apurou que Portugal apresenta melhores classificações no que respeita à tolerância a minorias e emigrantes, qualidade de vida, publicação de artigos em revistas científicas, sistema de pensões e diferença salarial entre homens e mulheres.

Em contrapartida, regista uma pior performance relativamente a variáveis como o ensino secundário, facilidade de mudança, exportações de elevado valor, colaboração entre organizações, enriquecimento intelectual e gestão profissional.

«Tal como em anos anteriores, Portugal e os países europeus continuam a figurar no topo da tabela deste índice [Oito dos países do Top 10 do ranking são europeus]. Este ano, a análise centra-se na diversidade e retenção de talentos nos países que fazem parte da amostra, bem como o entendimento do valor da diversidade. É interessante observar que o nosso país, de facto, tem trabalhado para superar algumas barreiras, sobretudo, ao nível das minorias e imigrantes e o papel que as empresas devem ter para a sua integração, o que resulta na subida de duas posições», vinca Carla Rebelo, directora geral da Adecco Portugal.

O ranking do GTCI, que conta com um total de 119 países, é liderado pela Suíça, seguindo-se Singapura e Estados Unidos da América. Já no ranking relativo às cidades, Lisboa ocupa o 19.º lugar deste ranking, numa lista composta por 90 cidades.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo