Geração Z não conseguiria viver sem o YouTube

O YouTube é utilizado por 95% dos jovens que compõem a Geração Z, aquela que surge logo após a Millennial. Além de serem utilizadores desta plataforma de streaming de vídeo, 50% deles afirma que não conseguiria viver sem o YouTube – com uma tendência maior verificada junto dos rapazes.

A conclusão é de um estudo realizado pela Defy Media para o Adweek e tem por base as respostas de jovens norte-americanos, entre os 13 e os 20 anos. Apesar de dizer respeito a um mercado em específico, poderá oferecer algumas luzes sobre esta geração no seu todo.

O mesmo estudo indica que, depois do YouTube, a Geração Z utiliza largamente o Instagram (69%), Facebook (67%) e o Snapchat (67%). Entre as plataformas mais utilizadas seguem-se o Twitter (52%), Google+ (37%), Pinterest (33%) e Tumblr (29%).

Relativamente a plataformas sem as quais não conseguiriam viver, nenhuma registou níveis tão elevados como o YouTube. O Snapchat foi o que ficou mais próximo, com 15% dos inquiridos a garantir que precisa de ter acesso a esta aplicação.

O YouTube é também o mais utilizado para proporcionar momentos divertidos, encontrar recomendações de compras e tutoriais.

Confiança nas estrelas sociais

A Geração Z confia tanto – e por vezes mais – nas chamadas estrelas das redes sociais como nas celebridades tradicionais (actores e cantores, por exemplo). Quando o assunto é produtos de beleza e gadgets tecnológicos, o mundo online vence. Por outro lado, quando estes jovens precisam de conselhos sobre roupa e acessórios, confiam mais nas figuras públicas que vêem na televisão e revistas.

O mesmo estudo conclui que 79% da Geração Z não se importa de ouvir/ler uma celebridade falar sobre uma marca, sendo este o tipo mais aceitável de branded content. No extremo oposto está a publicação de um produto de uma marca mas sem dizer nada sobre o mesmo.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Qual é, afinal, o papel do líder?
Automonitor
Maratonas condicionam trânsito em Lisboa (conheça as vias afetadas)