As marcas próprias estão a mudar (e a ganhar terreno)

Há algum tempo que as marcas próprias deixaram de ser o parente pobre dos lineares. As cadeias de supermercados estão a apostar no rebranding dos produtos que desenvolvem, desenhando marcas mais modernas que apelem aos consumidores. Adeus, imagens genéricas e aborrecidas (ou, pelo menos, é essa a intenção).

Segundo o eMarketer Retail, esta foi a forma que os retalhistas de Bens de Grande Consumo encontraram para aumentar as vendas das marcas próprias – muitas vezes, associadas a uma qualidade menor ainda que isos nem sempre corresponda à realidade. E a aposta não vai apenas para uma imagem mais cuidada: os supermercados estão também a apresentar marcas próprias focadas numa alimentação saudável e equilibrada.

Exemplo disso mesmo é a Target, nos Estados Unidos da América. A cadeia criou uma nova marca dedicada a alimentos orgânicos e que apresenta, adicionalmente, uma linha premium. A Good & Gather é composta somente por produtos sem aromas, corantes ou açúcares artificiais.

A Krogen e a Albertsons, também do outro lado do Atlântico, estão a seguir caminhos semelhantes. Ambas desenvolveram marcas próprias assentes em conceitos como orgânico ou origem vegetal. A justificação? Responder à exigência por parte de consumidores flexitarianos – que privilegiam uma dieta mais variada e com menos alimentos de origem animal.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Isabel Barros distinguida com prémio «Excelência» na liderança. Foi a única portuguesa
Automonitor
Portugal a caminho de bater recorde de produção anual