11.º Conferência Marketeer: «Distribuir é uma obrigação moral»

O comendador Rui Nabeiro, presidente do Conselho de Administração do Grupo Nabeiro-Delta Cafés, foi o convidado de Carlos Coelho, founder e CEO da Ivity, para uma conversa sobre a Delta, durante a 11.ª Conferência Marketeer (que decorreu esta manhã). Sem esconder a admiração que sente pelo fundador do Grupo Nabeiro-Delta Cafés, Carlos Coelho partilhou com a audiência algumas das conversas que ao longo dos mais de 20 anos – que as duas empresas têm de parceria – tem partilhado com Rui Nabeiro. E foi precisamente há 20 anos que o comendador disse em jeito de confidência ao criativo, depois de lhe ter sido feita uma proposta de aquisição por uma empresa internacional, que «a família não se vende». Frente à plateia que se reuniu esta manhã no Museu do Oriente, Rui Nabeiro confessou que ao longo deste anos foram muitas as propostas de aquisição da empresa que lhe foram sendo feitas. «Algumas em dólares, outras ainda em contos», contou, confidenciando que a sua «patroa» lhe pergunta amiúde porque é que continua  a reunir com as pessoas. «Sempre aprendo qualquer coisa», é a resposta pronta.

A história do começo da Delta é pública. Rui Nabeiro, vinha de uma família humilde e trabalhava na marca Camelo. Mas teve a ambição de criar a sua própria marca ainda que não estivesse em Lisboa ou no Porto. Insistiu muito. Apesar do mercado estar, à época, todo ocupado, o comendador quis fazer de Campo Maior, terra de muitas carências, um espaço melhor para as pessoas da sua terra. «Havia quem não tivesse casa, havia famílias inteiras que dormiam num quarto… Foi por aí que comecei. Comprámos terras e fomos construindo casas, pagando aos pouquinhos. A casa era fundamental para estas pessoas.» Daí que não seja de estranhar o carinho com que se ouve falar do fundador da Delta nessa terra e em muitas outras geografias.

Rui Nabeiro recorda que no pós-guerra, em Espanha, nunca sabiam se perante a entrega do café iam ou não receber o pagamento. Talvez por isso, também, sempre tenha sido homem de se levantar cedo e trabalhar até tarde. «Quando os outros iam, nós já estávamos a voltar. Se chego lá primeiro, recebo primeiro. E regresso mais descansado», conta.

O fundador da Delta acredita que a alma que imprimiu à empresa é de todos os que nela trabalham. Até porque, garante, «tenho empregados que querem fazer e fazem. A alma também é deles».

Tendo consciência de que há tantos que nada têm, Rui Nabeiro não se considera um homem rico. «A riqueza não é do homem, é da empresa e da sua gente.» Até porque, diz, não é pessoa de pensar em riqueza. «Penso em ganhar, em receber e em distribuir.» E quando Carlos Coelho o questiona se é viciado em dar, Rui Nabeiro, sem rodeios, não hesita em dizer que não é um vício, mas sim uma obrigação moral. E corrige o termo “dar”, que considera muito forte, por “distribuir”. Lembra ainda que «quem semeia, colhe. Mesmo que não chova».

Veja um excerto da conversa entre o comendador Rui Nabeiro e Carlos Coelho:

Texto de Maria João Lima

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Automonitor
Oficial: Aston Martin DBX, o primeiro SUV da marca