YouTube tem novas regras para lidar com o assédio

O YouTube promete uma postura mais forte contra ameaças e ataques pessoais, consequências para quem demonstrar um padrão de comportamento de assédio e, ainda, um cuidado maior com comentários tóxicos. As novidades resultam de uma actualização às políticas e produtos do YouTube tendo em vista a criação de um ambiente mais seguro e confortável para todos.

“De forma a estabelecer critérios consistentes para o tipo de conteúdo que não é permitido na plataforma”, explica o YouTube, justificando as mudanças às regras que compõem a política de incitação ao ódio.

A plataforma da Google garante que analisa, de forma regular, a forma como age para garantir que a linha entre o que é removido e o que é permitido está traçada no lugar certo. “E reconhecemos, no início deste ano, que na questão do assédio podemos e devemos fazer muito mais para proteger os nossos criadores e a comunidade”, adianta ainda.

No que à postura mais forte contra ameaças e ataques pessoas diz respeito, o YouTube compromete-se a proibir ameaças explícitas mas também indirectas ou implícitas. Estão incluídos conteúdos que simulam violência contra um indivíduo ou idioma e que sugiram a possibilidade de violência física.

Também serão banidos vídeos com linguagem considerada humilhante, nomeadamente insultos com base em atributos como raça, identidade de género ou orientação sexual. Esta directriz é aplicável a todos, desde particulares a criadores do YouTube ou entidades públicas.

Passado para as consequências referentes a padrões de comportamento de assédio, o YouTube explica que, por vezes, um vídeo isolado não viola as políticas de assédio. Porém, quando enquadrado num conjunto de conteúdos, verifica-se um padrão que não é aceitável. A partir de agora, a plataforma irá recompensar apenas os criadores confiáveis e suspender quem se opõem repetidamente às regras estabelecidas. Desta forma, não poderão ganhar dinheiro no YouTube.

“Também podemos remover o conteúdo dos canais se os mesmos assediarem repetidamente alguém”, indica a plataforma. “Se este comportamento continuar, tomaremos medidas mais severas, incluindo avisos ou a rescisão de um canal por completo.”

Por fim, o YouTube desenhou novas regras para os comentários tóxicos. Só no terceiro trimestre deste ano, foram removidos mais de 16 milhões de comentários, mas ainda não é suficiente. Quando o YouTube não tiver a certeza de que um comentário viola as suas políticas, dará ao criador a possibilidade de o analisar antes de ser publicado no canal.

Os canais que já activaram este recurso apresentaram uma redução de 75% nas sinalizações de utilizadores nos comentários. Entretanto, esta ferramenta começou a ser aplicada por padrão nos maiores canais.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...