EDP estreia stand hidráulico no Nos Alive

Pelo 10.º ano consecutivo, a EDP marca presença no Nos Alive e nesta edição apresenta-se de forma diferente aos festivaleiros. Para a presença no evento foi criado um projecto-piloto desenvolvido e construído em Portugal em apenas seis meses. Neste espaço de tempo, foram construídos três semi-reboques que, juntos, criam uma inovadora estrutura que ocupa uma área útil de aproximadamente 700 m2.  A empresa salienta que se trata de “camiões inovadores, que se acoplam entre si, criando um espaço único de partilha e diversão”. É «uma estrutura completamente inovadora em termos mundiais, que funciona tipo Transformers», assegura Paulo Campos Costa, director de Marca, Marketing e Comunicação global da EDP, salientando que no futuro serão montados em cerca de 37 minutos.

Após um concurso internacional lançado pela EDP, que foi vencido por uma empresa de Valongo, a estrutura foi desenvolvida com uma preocupação ambiental, sem precisar de estruturas adicionais para se erguer e desmontar, antes e depois dos festivais. Sendo auto-suficiente nesse sentido, permite economizar custos e reduzir o impacto ambiental face às opções mais conhecidas e utilizadas.

«De forma a permitir a utilização de energias renováveis foram colocadas películas fotovoltaicas no exterior, que vão permitir o fornecimento de energia a alguns equipamentos durante o festival», explicou à Marketeer Paulo Campos Costa.

Sob o mote Let’s Go, lançado pela marca para as áreas da música e do desporto, a EDP vai ter no seu espaço dinâmicas que incluem a personalização de capas de telemóveis, porta-chaves e sacos. «Tudo recordações que nós queremos que as pessoas venham a utilizar, depois, no seu dia-a-dia.» Também será possível ganhar um dos meses de energia que a marca tem para oferecer, através das máquinas arcade que estão disponíveis do local.

Depois dos vários festivais de Verão que vai percorrer, o stand será utilizado no surf (no mês de Setembro) e na Meia-Maratona de Lisboa.

Medir aplausos

No palco que leva o nome da empresa no Nos Alive, o EDP Fado Café, vai ser possível medir a energia gerada pelo público no espaço e transformá-la em energia solidária.

«De forma a reforçar o compromisso da EDP com a responsabilidade social, a marca instalou neste palco um sistema que mede os decibéis dos aplausos dos festivaleiros durante os concertos. Estes decibéis serão convertidos em kW de energia solidária que serão depois aplicados no desconto da factura de electricidade de uma instituição de solidariedade social», explica Paulo Campos Costa. A IPSS escolhida foi a Obra do Padre Gregório – Organização que acolhe 18 raparigas entre os 10 e os 21 anos com o objectivo de proporcionar a estas raparigas as condições necessárias para o seu desenvolvimento integral com vista à promoção da sua autonomia e inclusão social. A EDP já tinha instalado um sistema semelhante em Madrid.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Airbus vai ter open day. Há 90 vagas para fábrica portuguesa
Automonitor
Nissan LEAF em modo drift