Asus: Portugal tem um público ávido de novas tecnologias

Desde que a Asus chegou a Portugal há 10 anos, a equipa responsável por trabalhar a marca no mercado nacional aproveitou o interesse do público por tecnologia para testar equipamentos e analisar resultados. Em alguns casos, antes mesmo do lançamento a nível global, segundo explica André Gonçalves, Relações Públicas da Asus. Em entrevista à Marketeer, o responsável conta como tem evoluído a presença da insígnia no País e de que forma está a trabalhar para ser líder – tanto nos computadores como nos smartphones.

10 anos depois da entrada de forma directa em Portugal, que balanço faz da presença da marca no País?

A formação de uma equipa nacional demostrou-se vital para o sucesso da Asus em Portugal. Ao longo de 10 anos, fomos capazes de reconhecer as necessidades do mercado nacional de uma forma detalhada, beneficiando dos vários aspectos em que este se distingue dos restantes (mesmo a nível europeu) conseguindo também em vários momentos introduzir Portugal na primeira linha dos lançamentos de novos produtos com o objectivo de analisar resultados, antes de avançar para a introdução globalizada dos equipamentos. Este conhecimento permitiu-nos ainda adaptar os nossos produtos e configurações com base no mercado e ao mesmo tempo considerar o feedback nacional. O facto de termos agora uma equipa experiente, formada e gerida por portugueses ajuda-nos a ter um nível de confiança e sucesso sobre o nosso trabalho que seria impossível de atingir através de uma gestão feita internacionalmente.

Ainda são as componentes para PC os motores que fazem mover a marca em Portugal?

A Asus orgulha-se da sua capacidade de reconhecer e aplicar todo o seu potencial em cada linha de produtos em que está presente, atendendo às especificidades de cada uma delas. Originalmente, começámos por fabricar motherboards, placas gráficas e outros componentes, mas rapidamente evoluímos para novas linhas de produtos-chave nas novas tendências tecnológicas, como soluções de redes sem fios, periféricos, monitores, computadores portáteis e, mais recentemente, smartphones. Isso só é possível porque contamos com uma equipa de investigação e desenvolvimento interna composta por mais de 5000 pessoas capazes de transpor o ADN da marca para as diferentes tipologias de produto de uma forma integrada. Hoje, somos movidos pela capacidade de oferecer mais aos nossos utilizadores através de um portefólio mais integrado e coeso que traz claras vantagens aos utilizadores que optam por um ecossistema de tecnologia Asus.

 Ao nível de PCs, a marca mantém a liderança? O que a distingue da concorrência?

A Asus orgulha-se de conseguir atingir e manter a liderança em várias linhas de produto. Mas isso só é possível através da inovação e qualidade que aplicamos nos nossos equipamentos, que nos permite ganhar a confiança e preferência dos utilizadores. Muitas vezes, é a recomendação de um outro utilizador o principal catalisador para a primeira compra de um produto Asus, mas as compras consequentes passam a ser feitas com base na experiência do utilizador, ganhando também, dessa forma, um novo recomendador da marca. Procuramos oferecer sempre mais com os nossos equipamentos, através de uma conjugação de tecnologia e design que se reflecte em soluções diferenciadas e com uma excelente relação preço-qualidade.

Quais as três grandes mudanças nos mercados em que a Asus opera nos 10 anos de presença em Portugal?

A última década foi marcada por profundas mudanças na forma como as pessoas acedem, criam e partilham conteúdos. Isso reflectiu-se em novas necessidades nas áreas de sistemas de comunicação, armazenamento e disponibilização de informação. Para lhes dar resposta, criámos produtos como o EeePC (um notebook simples, económico e versátil que revolucionou o mercado) o Transformer (um notebook com o teclado destacável para utilização como tablet, que deu origem aos actuais portáteis híbridos 2 em 1) e até mesmo servidores como os RS500, que devido à sua arquitectura modelar se tornam acessíveis a pequenas empresas que podem aumentar as suas capacidades à medida das necessidades dos seus negócios.

 Nestas áreas pesa mais a inovação ou a promoção?

A inovação é o factor chave do sucesso da marca em todo mundo. Em Portugal, a Asus goza ainda de um excelente reconhecimento fruto de um público informado e ávido de novas tecnologias, que faz uma adopção das mesmas, tanto em ambiente empresarial como individual de uma forma muito mais rápida que outros países europeus. Tiramos partido desse facto para traçar planos de comunicação mais direccionados, falando directamente com um público que, apesar de muito exigente, reconhece na marca os princípios de rigor e qualidade que procuram para dar resposta às suas diferentes necessidades tecnológicas. 

Qual a importância da área de gaming para a empresa?

A nossa submarca Republic of Gamers (ROG), de produtos especificamente para jogos, celebrou mais de uma década de existência. Mas os produtos para jogos fazem parte do portfólio da Asus desde o início da marca. Numa altura em que mais nenhuma marca pensava neste público e o via como um nicho, ouvimos as diferentes comunidades de jogadores e começámos a desenvolver as bases tecnológicas que ainda hoje perduram na nossa linha de produtos ROG (sejam eles componentes, PCs ou periféricos) sempre com os mesmos princípios de performance, ergonomia e capacidade de utilização intensiva necessária a este tipo de actividade.

Neste momento, conseguimos ir ao ponto de identificar, atender a diferentes nuances dentro deste mercado ao aprimorar produtos de acordo com as necessidades específicas de cada um. Desenvolvemos em parceria com quem cria os jogos, quem os joga profissionalmente e até com as comunidades de jogadores, produtos que vão ao encontro da melhor experiência de jogo em cada uma das situações.

Em 2015, a Asus estabeleceu para Portugal estar no top 3 de telemóveis daí a 3 a 5 anos. Qual o caminho que tem sido trilhado e a posição actual?

Portugal foi dos países pioneiros a receber o ZenFone e o bom reconhecimento de marca fez com que fosse bem aceite pelos consumidores. A evolução tem vindo a cimentar a nossa posição no mercado e permitido combater com sucesso o grande volume de novos players que entraram. A actual quinta geração do ZenFone representa um salto de gigante no nosso posicionamento, com um produto de topo, grandes inovações em termos de design e tecnologia e um preço muito competitivo. Com esta oferta estamos alinhados para atingir o objectivo que traçámos em 2015.

Em alguns momentos a marca tem estado associada a figuras públicas. Que resultados desta estratégia? É para continuar?

Cada vez mais, a tecnologia da Asus marca tendências nas mais variadas vertentes da sociedade e, como tal, é natural que surjam associações com algumas pessoas e identidades de relevo nessas áreas. O factor-chave para que a associação aconteça é a existência de um elo real entre o nosso produto e a figura que se associa a ele. Adoptamos um posicionamento receptivo em relação a este tipo de oportunidades, procurando acima de tudo parcerias naturais e simbióticas, conseguindo, deste modo, testemunhos e partilhas de experiências de utilizadores que devido à sua natureza têm um nível de alcance superior ao normal. É caso da nossa mais recente parceria com a empresária e apresentadora Cristina Ferreira, em que também toda a redacção da Revista Cristina utiliza o ZenFone 5. Tendo em vista estes pontos, seguramente surgirão novas oportunidades para realização de associações deste tipo no futuro.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Automonitor
Casa cheia no próximo domingo para os 500 km do Estoril