Intermarché: Fazer parte da comunidade

Foi há já 30 anos que se deu a entrada em Portugal do Intermarché, insígnia do Grupo os Mosqueteiros. Em 1989, um grupo de empresários independentes interessou-se pela possibilidade de estender a cadeia de distribuição Intermarché para Portugal, aderindo ao Grupo os Mosqueteiros. Este interesse vê- -se concretizado em 1991, quando foi inaugurado o primeiro ponto de venda no Cacém e a base de distribuição logística em Cantanhede.

Hoje «somos uma insígnia histórica, tradicional da distribuição moderna, que faz parte do dia-a-dia dos portugueses, oferecendo produtos de qualidade a preços competitivos, com soluções para as famílias e inúmeras vantagens por operar em localidades que, antes, careciam de uma oferta personalizada », comenta Rui Pereira, administrador da insígnia Intermarché.

O modelo de negócio do Intermarché, único e inovador, garante que cada aderente faça a gestão da sua loja de forma dinâmica e beneficie do apoio da estrutura central do grupo, o que significa que olha para a localidade onde se encontra de forma a dar resposta às suas necessidades, facilitando o seu dia-a-dia e caminhando no sentido da satisfação dos clientes, sublinha o administrador.

«O aderente, que integra a comunidade local, está atento às tendências de compra dos seus consumidores, sendo a pessoa ideal para saber o que estes procuram e de que forma é que o Intermarché pode fazer a diferença, tendo em conta a zona onde se encontra, oferecendo sempre produtos de qualidade», explica Rui Pereira.

Neste momento, contam com 198 aderentes e 254 pontos de venda espalhados pelo País, o que representa um total de 306 905 m2 de superfícies comerciais, tendo, em 2020, aumentado o volume de negócios sem combustível para 1,5 mil milhões de euros (crescimento de 7% face a 2019).

«Se os clientes continuam connosco ao longo destes 30 anos, satisfeitos com os produtos e serviços que os nossos pontos de venda oferecem, só nos podemos sentir orgulhosos e continuar a trabalhar para oferecer mais e melhor: os melhores frescos (uma tendência em grande crescimento); a melhor marca própria; a melhor gama; as melhores promoções, tudo no melhor ambiente de loja, com o melhor serviço e ao melhor preço», enumera lembrando que, a partir de 2020, mais do que nunca, o fazem com a máxima segurança.

Para aqui chegar foi determinante, claro, a abertura das várias bases logísticas. Em 1994, inaugurava-se a sede do grupo em Alcanena, em 1999, a terceira base de distribuição em Paços de Ferreira e, em 2003, a base de distribuição em Cantanhede, a primeira não alimentar.

Comunidades locais

Actualmente, o Intermarché apresenta dois conceitos de loja – super e contacto – com superfícies comerciais entre os 300 e os 2500 metros quadrados. É especialista em produtos alimentares e frescos, caracterizando- se por um modelo de negócio distinto na área da grande distribuição.

Um dos eixos fundamentais da insígnia é o da proximidade às comunidades onde se insere. Em cada loja Intermarché é possível encontrar os melhores produtos do mercado local e tradicional numa grande superfície, alinhada com a localidade onde se encontra. É por isso que, actualmente, desenvolve parcerias com cerca de 200 fornecedores nacionais que se traduzem em 1500 artigos produzidos em Portugal e comercializados nas lojas. «Apoiamos ainda 700 produtores nacionais, incluindo associações e corporativas, através do Programa Origens, comercializando 300 referências dos mesmos», sublinha o administrador, lembrando que ajudam a plantar mais de 18 mil hectares e criam mais de 500 postos de trabalho permanentes.

O Programa Origens foi pioneiro em Portugal e criado (há mais de 20 anos) com o âmbito de valorizar e potencializar a produção nacional. Este programa contribui para a valorização do património agrícola e gastronómico, estando todos os produtos nacionais identificados no ponto de venda e apresentando características muito específicas: a garantia de frescura dos alimentos, obedecendo a elevados padrões de qualidade e segurança alimentar, pois são produtos desenvolvidos em explorações agrícolas frequentemente sujeitas a inspecção.

Todos os produtores do Programa Origens cumprem normas de produção integrada, que consiste num sistema de produção de produtos agrícolas e géneros alimentícios de qualidade, baseado em boas práticas agrícolas, com gestão racional dos recursos naturais e privilegiando a utilização dos mecanismos de regulação natural em substituição de factores de produção, contribuindo, deste modo, para uma agricultura sustentável.

Conseguem ainda levar vários produtores locais e nacionais até às suas superfícies, através do Prémio Intermarché Produção Nacional. Este prémio, que já conta com sete edições, tem servido o propósito de dar a conhecer e bonificar o que de maior qualidade se faz em termos de produção nacional.

A sustentabilidade é, cada vez mais, um dos eixos que integra o ADN da marca, que tem tomado medidas para garantir o desenvolvimento sustentável dos seus espaços. A título de exemplo foram investidos dois milhões de euros para a instalação de duas unidades de produção de energia fotovoltaica, existindo já 70 lojas com a instalação de painéis solares. «Contribuímos para aumentar a nossa própria eficiência energética, ao mesmo tempo que conseguimos uma redução de 60 a 70 toneladas de emissões de CO2 equivalentes por ano», sublinha. Além disso, a insígnia aposta na utilização de caixas de plástico reutilizável, o que evita toneladas de resíduos de cartão e esferovite.

Já junto dos consumidores, têm promovido a utilização de sacos provenientes de materiais reutilizáveis ou recicláveis. «O uso de sacos de plástico tem caído significativamente, em detrimento da opção crescente por sacos e reutilizáveis e de papel.»

Crescer em proximidade

Mas o compromisso do Intermarché mantém-se: oferecer aos consumidores portugueses os melhores produtos aos preços mais baixos.

«Queremos continuar a ser uma insígnia de referência para quem procura a melhor relação qualidade-preço nas suas compras do dia-a-dia. Assim, há uma constante dedicação da nossa parte em conciliar a responsabilidade social com os preços baixos dos nossos produtos, promovendo um consumo e vida saudáveis com respeito pelo ambiente.»

A estratégia de expansão de lojas está alinhada com o objectivo principal da operação: estar cada vez mais próxima dos consumidores e das suas comunidades, colmatando necessidades em zonas em que não há uma resposta específica à procura e necessidades da localidade.

Em 2020 abriram sete novas lojas, que representaram um investimento de 26 milhões de euros, deram emprego a mais 351 colaboradores e responderam às necessidades de mais consumidores. Para este novo ano, planeiam abrir mais 13 lojas e contratar mais 650 colaboradores. Este investimento permitirá que continuem a dar destaque a um dos principais valores do grupo: o da proximidade com os clientes.

Também o e-Commerce e a solução drive têm vindo a merecer a atenção do Intermarché, até porque a pandemia reforçou esta necessidade de maneira a afinar a operação para garantir os prazos de entrega estipulados. Neste momento, dispõem de 70 lojas que têm compras online, das quais 50 com o serviço Drive. «Estamos a explorar e a melhorar o nosso canal de vendas online, o que, naturalmente, reflecte um enorme crescimento de quota de canal online, com uma variação positiva em 2020 superior a 800% em vendas versus 2019.»

Este artigo faz parte do Caderno Especial “Marketing de Distribuição”, publicado na edição de Março (n.º 296) da Marketeer.

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...