Temos de consumir mais português

joao-paulo-girbalActualmente somos bombardeados por este desafio que nos chega de todos os quadrantes. Os produtores e os distribuidores afirmam-se cada um mais português do que o outro. O combate entre estes gigantes entra-nos pelas televisões a toda a hora e a argumentação por vezes roça o ridículo. Mais grave do que isso, é muitas vezes enganadora.

Mas o que significa ser mais português? Será que nos podemos referir apenas ao local onde é efectuada a última transformação ou embalagem? É a matéria-prima que tem de ser criada ou extraída em Portugal? E a energia necessária para a trabalhar e transportar? É onde se cria mais valor acrescentado, ou se pagam mais impostos directos e indirectos?

Uma coisa é certa: o consumidor, o cidadão comum, na maior parte dos casos não consegue identificar entre dois produtos da mesma categoria qual deles cria mais valor em Portugal. Temos um défice de informação (sim, mais um) e esta é a realidade nua e crua.

A situação ideal seria aquela em que os produtos ostentassem a informação concreta e validada de qual a sua contribuição para a criação de valor no nosso país. Com base nessa informação factual e auditável, o consumidor informado escolheria com a sua carteira, apenas limitado pelos seus valores e pelas suas disponibilidades financeiras.

Melhor ainda seria se se conseguisse que fosse desejável a um produtor incorporar cada vez mais conteú-do nacional nos seus produtos, fosse ele matéria-prima, mão-de-obra, energia, porque os consumidores iriam gradualmente dar preferência aos seus produtos nos pontos de venda. A própria cadeia de comercialização seria afectada da mesma forma por uma crescente procura pelos locais que, com informação factual e validável, apresentassem uma maior quantidade e variedade de produtos com alto valor criado em Portugal.

Obviamente não é essa a situação de hoje e o que vemos é uma batalha que se trava exclusivamente nos campos do marketing onde se gastam centenas de milhões para nos convencerem que os produtos que vemos nas prateleiras são mais portugueses que os dos concorrentes.

Outra questão importante e pouco clara são as marcas portuguesas versus as marcas estrangeiras. A quem deve o consumidor dar preferência: à marca portuguesa que de conteú-do nacional tem essencialmente o nome, ou a marcas estrangeiras produzidas em Portugal?

Muitas marcas portuguesas, mesmo das mais sonantes e populares, são hoje detidas por grupos estrangeiros, apesar de serem totalmente produzidas em Portugal. Noutro extremo temos marcas portuguesas que são produzidas no estrangeiro na sua quase totalidade. Por outro lado, temos marcas inconfundivelmente estrangeiras que são totalmente produzidas em Portugal.O tema é muito complexo e o pior que se pode fazer é continuarmos a deixar que sejam apenas os publicitários a tentar fazer algum nexo dele.

Mas houve já sectores que resolveram questões de informação ao consumidor com resultados muito satisfatórios. Um excelente exemplo é a etiqueta energética que é obrigatoriamente colocada nos aparelhos em local visível no ponto de venda. Ela permite comparar fácil e rapidamente em termos de eficiência energética os electrodomésticos e o consumidor pode fazer uma compra informada.

Existem regras muito claras para as etiquetas cuja responsabilidade é dos fabricantes. Para garantir que estão a ser bem aplicadas e que o consumidor não está a ser induzido em erro cabe à IGAE (Inspecção-Geral das Actividades Económicas) fiscalizar e verificar a conformidade da aplicação das regras.

O objectivo último é informar o consumidor e, em combinação com estratégias de comunicação, influenciar direcções de consumo que sejam em benefício da sociedade; mas em última análise a escolha é do consumidor no acto de compra. Então, por que não aplicar algo semelhante no sector dos bens de grande consumo, alimentar e outros? Temos aqui uma oportu­nidade urgente para agir, informando o consumidor para que este possa “votar” com a sua carteira.

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...