Pandemia de notícias falsas: 71% dos portugueses não acredita na informação que consome

A maioria dos portugueses não acredita nas notícias que consome (71%) e uma fatia significativa sente necessidade de confirmar as notícias antes de acreditar nas mesmas (20%). Os números são apontados por um estudo realizado pela multidados.com e pela COMbyCOM – representada em Portugal pela Guess What e pela Porto de Ideias –, segundo o qual somente 6,7% acredita nas notícias que lê, vê ou ouve.

A mesma análise indica que 53% dos portugueses diz consumir informação diariamente, com a faixa etária dos 25 aos 39 a destacar-se. Cerca de metade (52%) aponta aos jornais online como fonte privilegiada, 28,9% opta pelas redes sociais e 15,1% pela televisão.

É neste contexto que 98,5% já ouviu falar de fake news (notícias falsas), sendo que 98,9% conhece o significado do termo. Numa escala de 1 a 10, os inquiridos acreditam que existem fake news nas redes sociais (7,8), jornais online (6,6), televisão (6,18) e em jornais impressos (6,02).

Ainda assim, também numa escalada de 1 a 10, os portugueses que participaram no estudo dizem confiar na rádio (7,06), jornais impressos (6,99), televisão (6,94) e jornais online (6,54).

«As conclusões deste inédito estudo reflectem a crescente relevância dos meios online enquanto fonte de notícia para grande parte dos portugueses e o impacto que as redes sociais, fontes pouco filtradas, já têm no dia do cidadão. O conceito de fake news parece já fazer parte do léxico de uma grande maioria, mas poucos são aqueles que se preocupam em verificar ou cruzar factos», sublinha Jorge Azevedo, managing partner da Guess What

Dos 21,9% de portugueses que fazem verificação de dados, 60% usa a internet para essa tarefa, ao passo que 40% opta por outros meios de comunicação social.

Jorge Azevedo considera que as fontes de informação, como as agências de comunicação, têm hoje, por isso, um «papel fundamental e ainda mais exigente na divulgação de informação clara, objectiva e acertada».

Carlos Furtado, director-geral da Porto de Ideias, reitera a mesma ideia, sublinhando a «importância acrescida dos jornalistas e dos órgãos de comunicação social, mas também da credibilidade das fontes da informação». E, de acordo com o responsável, é «aí que entram as agências de comunicação como um parceiro credível dos jornalistas na luta contra as fake news».

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...