O impacto da pandemia nos eventos e turismo desportivos

Por Tiago Fernandes, co-fundador e gestor de Eventos Desportivos da Upstream Portugal

Há mais de um ano que o sector dos eventos desportivos – e não só – se encontra condicionado, não se sabendo ainda em concreto quais (e quantos) serão os agentes e entidades que vão conseguir manter o fôlego e aguentar até ao momento da retoma plena da actividade.

Embora neste momento, de uma forma geral, a perspectiva de retoma seja já com base num “quando” e não num “se”, como se discutia há poucos meses, existem factores que sabemos terem de ser encarados como desafios para o sector, como a crise económica que ainda não atingiu, nem de perto nem de longe, o seu pico e que se vai manter durante muito tempo, as restrições e limitações de viagens e de circulação de pessoas (internacionais e intercontinentais) e a retoma da confiança das pessoas a voltarem a estar juntas em eventos de participação massiva.

Por outro lado, existem outros factores que levam a ter alguma esperança na retoma de uma actividade e de um sector que, ao que tudo indica, terá um dos papéis mais importantes – se não mesmo fundamental – na retoma e recuperação das cidades, regiões e países, do ponto de vista turístico e de promoção dos mesmos. Estes factores têm que ver com o processo de vacinação estar a decorrer bem, de uma maneira geral, e de, a cada semana, serem aprovadas novas vacinas para administração; os dados que estão disponíveis indicarem que a taxa de contágio em eventos que cumprem as normas e condições de segurança estar perto de zero e com a adaptação e investimento na vertente digital – que já foi feita por parte de muitas organizações. Esta adaptação digital tem vindo a revelar-se como uma mais-valia enquanto complemento aos eventos presenciais – eventos híbridos – e, com isso, a oportunidade das organizações que “apenas” tinham uma edição anual, prolongarem o seu contacto com os participantes e potenciarem a participação em eventos presenciais ao longo de todo o ano, aliado à forte vontade dos participantes (atletas profissionais e atletas do “dia-a-dia”) voltarem a este tipo de eventos.

Para além de todas estas questões práticas, existem três conceitos que são importantes para reflexão:

1) Os eventos desportivos enquanto factor importante e fundamental para o regresso do turismo – quando se der a retoma da actividade, é imperativo ir ao encontro das motivações das pessoas. O desporto, a par da fé, é um forte motivador de mobilização de pessoas. Tal como vimos durante os meses de Verão de 2020 – quando houve um primeiro desconfinamento – os eventos desportivos que aconteceram com as devidas restrições impostas à lotação, distanciamento e regras de higiene, foram um forte mobilizador de pessoas, com diversos exemplos de que será esta uma das primeiras e mais importantes actividades a retomarem e a contribuírem para a retoma do turismo nas diversas regiões;

2) A oportunidade de reinvenção que esta pandemia trouxe ao sector dos eventos, de forma geral, e dos desportivos em particular, de fazer um “reset” – esta oportunidade tem que ver sobretudo com duas vertentes: em primeiro lugar um interesse e preocupação crescente, que surgiu durante todos estes meses de confinamento, com o bem-estar físico e que levou muitas pessoas a retomarem a actividade física ou a olharem para ela como factor integrante das rotinas; em segundo lugar, uma oportunidade para o sector sair mais forte, se as organizações assumirem uma postura colaborativa em vez de se verem entre si como concorrentes. Os que sairão vencedores deste processo serão aqueles com a capacidade de colaborar com os que anteriormente eram considerados concorrência, aqueles que deixarem de pensar em ser heróis enquanto individuais;

3) Assumir uma postura “Anti-frágil” ao invés de uma postura passiva de resiliência em relação ao quadro actual e futuro – Nassim Taleb (analista e matemático líbano-americano) traz-nos este conceito que é pertinente analisarmos, do ponto de vista que a adopção de uma postura/comportamento anti-frágil é fundamental para os gestores de eventos desportivos neste momento. De forma simplista, consiste em fazer algo, em agir, em pensar “fora da caixa”, ao contrário de adotar estratégias que nos levem a “aguentar” e a passar por esta fase simplesmente à espera que as “condições” melhorem. Os factores que determinam se uma organização/sector assume essa postura “anti frágil” são a qualidade das relações e a confiança criada; a qualidade da informação que é transmitida (como a partilhamos e o trabalho conjunto que é feito) e a identidade enquanto sector que se relaciona com a postura colaborativa intra-sector e com outros sectores, como a saúde e a educação, por exemplo.

Para o sucesso global deste processo, o apoio efectivo das entidades públicas, quer a um nível governamental quer a um nível local e regional, será fundamental para a retoma. Com estes apoios directos, as entidades não estarão unicamente a impulsionar o sector dos eventos desportivos, mas também, simultaneamente, a tratar problemas sociais derivados desta pandemia, nomeadamente problemas relacionados com a saúde mental – como a ansiedade e a depressão – e onde os eventos desportivos são a chave, com as suas características de pertença a um grupo (tribo/família) e de todos os factores físicos e emocionais que derivam da prática de exercício físico potenciando o bem-estar da população. Também será fundamental as marcas/patrocinadores procurarem, cada vez mais, estar associados a eventos seguros e sustentáveis (social, ambiental e financeiramente) e existem poucos sectores, para além do deporto, que possam oferecer tudo isto.

Sejamos “Anti-Frágeis”! O sucesso do turismo desportivo e dos eventos estará nas mãos dos audazes, dos ousados, dos que pensarem para lá do “normal” e dos que adoptarem um mindset de colaborativismo que resultará numa proposta de valor para o sector.

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...