Marcas juntam-se à luta contra o racismo (e não é de agora)

Os insultos a Moussa Marega durante um jogo de futebol em que o FC Porto defrontava o Vitória de Guimarães (e que levaram à saída do jogador do relvado como forma de protesto) deram origem a uma onda de apoio ao atleta e de combate ao racismo. Insígnias como Super Bock, Sagres e Dr. Bayard são algumas das que fizeram questão de marcar a sua posição sobre o tema, defendendo um mundo sem rivalidades nem preconceitos.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Não ao racismo. #naoaoracismo #superbock #sagres

Uma publicação compartilhada por Super Bock (@superbock) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Não ao racismo. #naoaoracismo #sagres #superbock

Uma publicação compartilhada por Cerveja Sagres (@cervejasagres) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

O Dr. Bayard não olha a cores ✌🏻 Créditos: @umtiago

Uma publicação compartilhada por Dr. Bayard (@dr.bayard) em

Outras marcas de menor dimensão também quiseram deixar o seu contributo, como é o caso da Pastelaria Andrade e da Opticenter:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Não importa a cor Só o sabor . #nãoaoracismo

Uma publicação compartilhada por Pastelaria Andrade (@pastelariaandrade) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

Diz não ao racismo onde quer que o vejas. #diznaoaoracismo #notoracism #todosiguais

Uma publicação compartilhada por Grupo Opticenter (@grupoopticenter) em

A Coca-Cola Portugal não fez uma referência tão direita ao tema, mas partilhou uma publicação no Instagram, em que apela a braços mais abertos.“Concordar parece uma tarefa impossível, mas às vezes apenas é necessária uma mudança de perspectiva”:

Por ocasião do 50.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, por exemplo, a Comissão Portuguesa criou este filme:

Lá fora, há apenas alguns meses, a Séria A italiana lançou uma campanha anti-racismo com base em quadros da artista Simone Fugazzotto em que eram retratadas caras de macacos. O objectivo era claro: responder aos sons reproduzidos por alguns adeptos de clubes italianos, semelhantes aos que Moussa Marega teve de ouvir no passado de domingo. No entanto, a campanha não foi bem recebida por todos:

Ainda no futebol, em Outubro do ano passado, também a Premier League exprimiu a sua opinião sobre o racismo numa campanha sob o mote “No room for racismo”:

No sector da beleza, a Procter & Gamble também deu que falar no Verão passado ao querer alterar a definição da palavra “preto” no dicionário. O objectivo era retirar todas as conotações negativas associadas ao termo e teve sucesso, pelo menos junto do dicionário online Dictionary.com:

redefine black procter & gamble

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...