Imagina-se preso dentro de um labirinto?

High_Heel_Passenger_2O IADE – Creative University desenvolveu a identidade visual do projecto “High Heel Passenger”, que se debruça sobre a temática do tráfico humano. Com o patrocínio da UNESCO, a instalação artística – que consiste num projecto integrado que inclui, pintura, escultura e arquitectura – é fruto de uma colaboração entre a artista plástica holandesa Marian van der Zwaan e os alunos João Miranda e Vânia Barbosa, do mestrado em Design e Cultura Visual do IADE.

Vânia Barbosa debruçou-se sobre a identidade visual, enquanto João Miranda, em parceria com a empresa Ubiwhere, teve a oportunidade de colaborar no desenvolvimento de um jogo para a plataforma Android. O jogo “High Heel Passenger” está disponível no Google Play e tem o objectivo de dinamizar o plano educacional do projecto, em conjunto com as escolas. Bruno Nobre, docente do IADE – Creative University que coordenou a acção, refere que «esta foi uma colaboração única, em que os alunos tiveram a oportunidade de participar num projecto de dimensão internacional, que sensibiliza para uma causa humanitária».

O projecto está, até ao dia 6 de Novembro, patente na praça D. Pedro IV, no Rossio, em Lisboa, e, simultaneamente, em Acra (Gana), Berna (Suíça), Luanda (Angola) e São Paulo (Brasil). É apoiado pela Câmara Municipal de Lisboa, o Governo de Angola e o Governo do Estado de São Paulo.

Segundo o IADE, estima-se que, só na Europa, mais de 200 mil mulheres sejam forçadas à prostituição. As vítimas ficam presas num “labirinto”, com poucas possibilidades de se defenderem ou libertarem destas redes criminosas, já que não têm trabalho nem residência nos países estranhos para onde vão com promessas de uma vida melhor. “High Heel Passenger” parte deste conceito, sendo a instalação artística apresentada dentro de um labirinto.

 

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Portugal atraiu 610 estrangeiros «altamente qualificados» através deste programa
Automonitor
Regulamento da mobilidade elétrica obriga a celebrar contratos de adesão