«Hoje, há mais portugueses interessados em praticar uma alimentação flexitariana»

Hoje, há mais portugueses interessados em praticar uma alimentação vegetariana ou, pelo menos, flexitariana. Quem o garante é João Vale, director de Marketing da Iglo. Razão pela qual a Iglo decidiu apontar baterias ao lançamento da Green Cuisine, uma gama de refeições e produtos com 0% de carne.

Nesta fase inicial estão já disponíveis no mercado (nas zonas de congelados dos pontos de venda) 13 produtos diferentes que vão dos hambúrgueres às almôndegas, passando pelos bowls de vegetais, fingers de espinafres e mini-burgers de batata-doce.

Em conversa com João Vale ficámos a perceber de que forma têm estado a mudar os hábitos de consumo dos portugueses e como será feito o lançamento desta nova gama.

A nova gama Green Cuisine foi pensada para os vegetarianos ou para os flexitarianos?

Foi pensada para todos os que querem praticar uma alimentação mais saudável, com mais vegetais. É um convite a consumir vegetais que não deixa ninguém de fora – tanto para quem já pratica uma alimentação vegetariana como para quem gosta (e não abdica) do consumo de carne, mas quer reduzir esse consumo ou simplesmente incluir mais vegetais na alimentação.

Porque é que a Iglo, que já tinha há muitos anos vegetais congelados, decidiu, agora, lançar uma gama de refeições para quem quer mais vegetais no seu dia-a-dia? O que mudou no consumidor?

A mudança no consumidor tem sido gradual, mas podemos dizer que acelerou nos últimos anos o apelo por uma alimentação vegetariana. Aquilo que há uns anos era visto como um consumo de nicho tem vindo a alargar-se e, hoje, há mais portugueses interessados em praticar uma alimentação vegetariana ou pelo menos “maioritariamente vegetariana”, flexitariana. Faz, portanto, todo o sentido que para além dos vegetais congelados a Iglo responda a essa procura por refeições vegetarianas – opções práticas que se podem preparar em poucos minutos. Refeições que no fundo são uma ajuda – para além da qualidade intrínseca dos vegetais congelados, têm uma receita, um sabor e um lado prático na preparação que facilita muito a vida de quem quer comer mais vezes vegetais.

Esta gama vai canibalizar as gamas que anteriormente já existiam na Iglo (como vegetais congelados ou refeições prontas)? Como se gere o portefólio com produtos que concorrem entre si?

Olhando para a tendência do consumo, a canibalização será muito baixa. Este lançamento traz sobretudo mais oferta para que os consumidores possam optar por congelados quando procuram soluções e refeições vegetais. Se esta tendência se mantiver, naturalmente poderá diminuir o consumo de carne ou de outras refeições “tradicionais”, cabe-nos nós estar do lado certo dessas tendências de consumo.

De que maneira a pandemia que actualmente vivemos acelerou ou atrasou o momento de lançamento desta gama?

Não atrasou, nem acelerou. Já tínhamos planeado este lançamento para meados de 2020 e não vimos qualquer motivo para o adiar. Tudo o que sabíamos sobre o consumidor assegurava-nos que a procura por uma alimentação com mais vegetais estava para ficar, não era passageira e portanto resistiu a todo o contexto que atravessámos. Verificámos mesmo que este momento provocou um aumento do consumo de congelados (mais do dobro da média do grande consumo) e um maior desejo (nem sempre fácil de cumprir) por parte do consumidor de praticar uma alimentação saudável. Iglo Green Cuisine acaba por ser lançando num momento em que todos tivemos (e temos) que preparar muito mais refeições em casa do que nos era habitual, queremos comer bem e saudável, mas nem sempre temos tempo ou imaginação para o fazer.

Porque é que faz sentido criar uma submarca dentro da marca Iglo para comunicar estes produtos (alguns que já tinham sido lançados)?

Porque há um elemento que liga todos estes lançamentos – refeições vegetarianas, criativas e saborosa – e faz sentido na nossa estratégia dar-lhes um fio condutor, uma identidade própria que nos ajuda a nós a comunicar a gama e ao consumidor a encontrar os produtos no linear, percebendo mais rapidamente o que lhe estamos a apresentar.

Além dos produtos agora disponibilizados, está previsto aumentar a oferta nesta gama? A que prazo?

Estamos em pleno lançamento de uma gama já bastante alargada (com 13 produtos), mas a receptividade de clientes e consumidores permite-nos perspectivar que em 2021 continuaremos a trazer novidades para o mercado.

Quais os meios, ao nível de comunicação, que serão usados para o lançamento desta gama?

A campanha centra-se nesta fase numa aposta forte em meios digitais, ponto de venda e e-commerce.

De que forma a nutricionista Mariana Abecassis foi envolvida neste lançamento?

A Mariana Abecassis foi convidada porque quisemos alguém que nos ajudasse a lançar um desafio a todo os portugueses, o de comer mais vegetais praticando uma alimentação vegetariana por uma semana. Claro que esse desafio é já a rotina de quem é vegetariano, mas é mais difícil para quem tem menos prática de incluir vegetais na sua alimentação (ou acaba por fazê-lo sempre mais ou menos da mesma forma, e procura mais opções e imaginação). A Mariana traz-nos essa criatividade, sempre com opções simples, acessíveis mesmo para cozinheiros menos experientes, e criou 4 “Planos Alimentares” que vão dar um ajuda a todos os que querem praticar uma alimentação saudável.

Que outros influenciadores estarão envolvidos neste lançamento e em que meios estarão?

Procurámos pessoas com perfis diferentes, que chegassem a diferentes públicos, masculino e feminino, de diferentes idades e com diferentes interesses. Em comum têm um interesse em praticar uma alimentação saudável e fazer essa “influência do bem” que é lançar um desafio de comer mais vegetais. Em concreto, estarão connosco a Filipa Areosa, a Bárbara Inês, a Mafalda Sena, a Bárbara Lourenço e o António Raminhos.

Está prevista a utilização do Capitão Iglo para fazer a ponte entre esta nova oferta e os consumidores mais jovens?

Não. Os consumidores mais jovens não serão um alvo mais “directo” deste lançamento, mas os produtos Green Cuisine são acessíveis a todos – aliás nos Planos Alimentares da Mariana Abecasis propomos algumas receitas para toda a família, sabendo que em muitas famílias a vontade de comer mais vegetais não se restringe aos adultos, mas procura também envolver as crianças, que por vezes até são mais resistentes a comer mais vegetais.

Ao nível de PVPR, como compara esta gama com as tradicionais gamas da Iglo?

Está perfeitamente em linha com as nossas gamas de refeições. A nossa oferta em preço base recomendado está entre os 2,99€ e os 4,99€, com momentos promocionais previstos ao longo do ano. Com este lançamento procuramos “democratizar” o acesso a refeições à base de vegetais e por isso procurámos desde logo começar com uma gama bastante alargada e acessível a todas as bolsas.

Texto de Maria João Lima

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...