Alavanca de crescimento

Os ctt têm vindo a focar a sua actuação estratégica, de marketing, comercial e operacional, no sentido de oferecer as melhores soluções de logística e de entregas aos clientes retalhistas que vendem online

Face à quebra inevitável do correio, que nos últimos 10 anos observou uma redução da ordem dos 50%, as encomendas, impulsionadas pelo desenvolvimento do e-commerce, são inquestionavelmente uma das grandes alavancas de crescimento dos CTT.

Neste contexto, a empresa tem vindo a focar a sua actuação estratégica, de marketing, comercial e operacional, no sentido de oferecer as melhores soluções de logística e de entregas aos clientes retalhistas que vendem online. «De uma forma proactiva no mercado, a nossa ambição é a de continuarmos a ser o principal operador de última milha nos fluxos de e-commerce, capturando o máximo de tráfego gerado por este sector de actividade. Toda esta actuação está a envolver uma transformação digital a todos os níveis da organização, em particular na área das operações e no desenvolvimento de soluções e serviços que proporcionem a melhor experiência de entrega aos e-buyers», sublinha Miguel Salema Garção, director de Marca e Comunicação.

Para este profissional é inequívoco que os CTT têm vantagens competitivas claramente diferenciadoras face às outras transportadoras a actuar no mercado. Umas decorrem de ser uma marca de confiança, da sua rede ímpar de pontos de entrega e de recolhas, da sua rede de carteiros e de distribuidores e da sua integração numa rede postal universal, que captura mais de 70% dos fluxos de e-commerce a nível mundial. Outras das vantagens estão associadas à sua obsessão de inovação de apresentação ao mercado de novas soluções que propiciem aos e-buyers melhores experiências de compra e de entrega das suas encomendas online.

Aposta no Dott

Em Fevereiro, os CTT lançaram, em parceria com a Sonae, o Marketplace Dott. «A nossa visão para o Dott é que ele se afirme como o Marketplace de referência dos portugueses, quer numa perspectiva dos vendedores, quer dos compradores.

Que se constitua como um acelerador do desenvolvimento do e-commerce em Portugal, dando condições a que empresas e marcas portuguesas utilizem esta plataforma como canal de eleição para os seus negócios e venda online», explica Miguel Salema Garção, acrescentando que ambicionam que seja a primeira opção de escolha dos compradores portugueses quando estes desejam fazer uma compra online.

Como operador de logística e de entregas desta plataforma, os CTT visam com esta iniciativa disponibilizar soluções que contribuam no last mile para a melhor experiência de compra online dos seus e-buyers. Para os CTT, o Dott distingue-se dos concorrentes pela confiança e proximidade. Confiança, associada às marcas que lhe estão por detrás e à experiência que a plataforma propicia ao consumidor.

E proximidade, porque a plataforma permite o contacto multicanal, incluindo o telefónico, disponibiliza vários métodos de pagamento, incluindo a referência para liquidar via Multibanco e tem uma rede de 1600 pontos de entrega no País, oferecendo uma garantia de entrega do produto no máximo 48 horas após a sua compra.

Os CTT acreditam que o Marketplace Dott irá desempenhar um papel crucial no onboarding de novas empresas portuguesas para a venda online. Por outro lado, a actuação no apoio e suporte ao empreendorismo e startups, com as capacidades de logística e entregas dos CTT, continuará a ser um dos vectores relevantes para acelerar o ecossistema de e-commerce.

Destaque ainda neste domínio para o lançamento muito em breve de uma plataforma de e-fulfillment dos CTT para suporte às actividades de e-commerce e muito vocacionada para as PME. Além do Dott, com o objectivo de liderarem a construção e desenvolvimento do ecossistema de e-commerce em Portugal, os CTT têm vindo a desenvolver vários tipos de parceria ao longo dos últimos anos.

Destaque para as parcerias com as startups Shopkit, Facestore, Jumpseller, Shiptimize e Packhelp, bem como com grandes plataformas de e-commerce, como o são o OLX em Portugal, ou o AliExpress e a China Post, tendo em vista a captura dos tráfegos provenientes desse país a oriente.

Obcecados pela inovação e pela ambição de continuar a liderar o desenvolvimento do e-commerce em Portugal, recentemente, os CTT lançaram também o serviço de entregas CTT Now, assente numa plataforma digital que assegura a distribuição de encomendas no próprio dia, num prazo de até duas horas.

O sameday delivery e/ou as entregas cada vez mais rápidas, e em particular em contexto urbano, são uma tendência do mercado, que importa acompanhar e comandar, salienta Miguel Salema Garção. O CTT Now pretende responder a esta tendência e necessidade que os sectores mais dinâmicos do comércio e das entregas exigem.

«Os resultados até ao momento são animadores, numa perspectiva de um mercado que ainda é emergente e que, consequentemente, tenderá a crescer de forma relevante no futuro próximo.» Entre a oferta aos e-shoppers destaque para o e-Segue, a oferta mais integrada que, via os e-sellers, permite configurar para os compradores online as melhores soluções de entrega.

Mas há outras possibilidades. O Express2Me viabiliza compras online, mediante a atribuição de uma morada virtual, em sites e/ou plataformas de e-commerce nos EUA e no Reino Unido, sendo todo o processo de logística, transporte e entrega assegurado pelos CTT. Já o CTT24H permite que o comprador tenha acesso a uma rede de cacifos automáticos, como locais de maior conveniência para a recolha das encomendas que, independentemente da sua origem e/ou transportador, são entregues pelos CTT.

Desafios do e-commerce

Os principais desafios que o e-commerce coloca aos CTT decorrem de três tendências: o free delivery, que exige mais eficiência e competitividade a nível dos preços; o sameday delivery, que exige mais flexibilidade e planeamento dinâmico das rotas; e as peak seasons, associadas a dias como o Black Friday, Singles Day, Natal, etc., que obriga a uma gestão operacional cada vez mais do tipo elastic logistics, via recurso a meios e redes adicionais e complementares, que permitam alisar picos de tráfego e conferir experiência uniforme de entregas.

«A resposta a estes desafios está a ser dada pelo desenvolvimento e implementação de um Plano de Modernização e Investimento, que envolve investimentos da ordem dos 40 milhões de euros, e por uma crescente e mais eficiente integração de sistemas de informação e operações entre os CTT e os seus clientes», revela o mesmo responsável.

É que qualquer player a actuar neste sector nunca se poderá esquecer que o principal factor de escolha que condiciona um checkout de sucesso, aquando da compra online, tem a ver com a entrega. E quanto a isso há que acautelar a visibilidade do custo, o tempo e previsibilidade de entrega, as devoluções e a possibilidade de opções alternativas de locais de entrega.

«O preço de entrega apresentado pelo retalhista é determinante, sendo o free delivery uma prática cada vez mais usual para as compras de maior valor e/ou para clientes premium», remata Miguel Salema Garção.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Automonitor
Via Verde Estacionar Lisboa com 1.º estacionamento gratuito