Vila Galé: Explorar os segredos do interior

O grupo hoteleiro Vila Galé tem vindo a reforçar o investimento na abertura de novas unidades nas zonas mais interiores do País, diversificando assim o seu portefólio e contribuindo para valorizar estes territórios. Esta é uma estratégia em curso há já alguns anos e que tem tido continuidade, apesar de todos os constrangimentos provocados pela pandemia de Covid-19, em particular no sector do Turismo.

Entre os investimentos mais recentes do grupo com este perfil estão as unidades Vila Galé Serra da Estrela e Vila Galé Collection Alter Real (em Alter do Chão, no Alentejo), que abriram portas no ano passado, bem como o projecto de agroturismo Vila Galé Douro Vineyards, localizado no coração do Douro vinhateiro, cuja segunda fase também começou a funcionar no Verão passado.

Mas a aposta não fica por aqui. Nos últimos anos, o grupo conta ainda com outros investimentos realizados no interior de Portugal, como é o caso dos hotéis Vila Galé Collection Douro, Vila Galé Collection Braga, Vila Galé Collection Elvas ou Vila Galé Clube de Campo, perto de Beja, onde também tem desenvolvido a componente agrícola. Aqui, além do hotel, o grupo produz os vinhos e azeites Santa Vitória e, recentemente, construiu um lagar de azeite e uma central de processamento de fruta.

«Como empresa portuguesa e de turismo, acreditamos que faz sentido investir nestes territórios, onde reconhecemos um imenso potencial. Há boas acessibilidades, uma enorme riqueza cultural, patrimonial, gastronómica e consideramos que há viabilidade para abrir hotéis. Só assim conseguimos diversificar a oferta, não só enquanto rede hoteleira, mas também enquanto destino, já que se criam novos pólos de atracção», sublinha Gonçalo Rebelo de Almeida, administrador do Grupo Vila Galé. «Essa será também uma forma de distribuir melhor os turistas pelo território e proporcionar-lhes mais experiências, fidelizando-os e mostrando que há sempre novos motivos para voltar», reforça o responsável.

Duas unidades hoteleiras únicas

Os dois investimentos mais recentes do grupo, o Vila Galé Serra da Estrela e o Vila Galé Collection Alter Real, vieram complementar o portefólio do grupo, até por estarem inseridos em “localizações ímpares”. «Permitem também alcançar novos públicos, tanto a nível nacional como internacional. E, sendo novidade, contribuem para uma maior fidelização dos clientes que já conhecem as unidades da Vila Galé e querem sempre experimentar os hotéis novos», frisa Gonçalo Rebelo de Almeida.

O Vila Galé Serra da Estrela, em Manteigas, é o primeiro hotel de montanha do grupo num destino de neve. Trata-se de uma unidade composta por 91 quartos, que inclui serviços como o restaurante Inevitável, duas piscinas exteriores (uma para adultos e outra para crianças, com escorregas) e uma zona Satsanga Spa, que inclui uma piscina de hidromassagem exterior e ainda três salas para eventos. É dedicado ao tema “Mitos, lendas, costumes e tradições da região serrana”.

Já o Vila Galé Collection Alter Real, em Alter do Chão, tem uma forte ligação ao turismo equestre e à Coudelaria de Alter, a mais antiga do mundo a funcionar ininterruptamente no mesmo sítio. Além das facilidades do hotel – spa, piscinas exteriores e interior, restaurante, enoteca, salão de eventos e salas de reunião –, proporciona visitas guiadas aos principais espaços de criação do cavalo puro- -sangue lusitano, mas também lições de equitação ou passeios de charrete e ainda um Museu do Cavalo. Outro dos atractivos é a falcoaria, que inclui um museu e onde é possível apreciar e aprender mais sobre as diferentes aves de rapina.

De acordo com Gonçalo Rebelo de Almeida, apesar de terem sido inauguradas em plena pandemia, «ambas as unidades tiveram taxas de ocupação elevadas em Agosto. Já em Setembro e Outubro trabalharam bem ao fim-de-semana devido ao mercado nacional ». A partir de Novembro, e com as novas medidas restritivas de circulação e recolher obrigatório, ambas as unidades foram obrigadas a encerrar, sendo que a previsão «é que venham a abrir só na Páscoa», adianta o responsável da Vila Galé.

Descontos para teletrabalhadores

O reforço do investimento nas zonas do interior do País permite também ao Grupo Vila Galé oferecer mais soluções a todos os hóspedes, nacionais e estrangeiros, que pretendem passar férias, ou apenas um breve período de descanso em zonas mais isoladas e tranquilas, longe dos centros urbanos. De resto, esta tem sido uma tendência evidente desde o início da crise sanitária, com os consumidores a valorizarem cada vez mais o factor da segurança. «Já vínhamos registando uma tendência pré-pandemia de maior procura por parte dos turistas por destinos com menor densidade e pelo interior, mas a pandemia veio intensificá-la. E acreditamos que esta preferência veio para ficar. Notamos que os clientes querem cada vez mais descobrir novas regiões e viver experiências que facilmente encontram no interior do País», explana Gonçalo Rebelo de Almeida.

Com a pandemia, surge também um novo target que os operadores turísticos têm procurado atrair: as pessoas que, mesmo em teletrabalho ou trabalho remoto, querem experimentar um ambiente diferente do de casa, optando pelos hotéis. Nesse sentido, o Grupo Vila Galé está a promover algumas campanhas específicas para este público, a pensar nas estadas longas: até 31 de Março, as reservas iguais ou superiores a 30 dias beneficiam de um desconto de 25% no valor do alojamento e pequeno-almoço.

Além disso, em exclusivo nas unidades em Portugal, está também em vigor uma campanha adequada para quem queira teletrabalhar num hotel, com preços desde 59 euros por dia. Este pacote inclui a utilização do quarto entre as 8h e as 18h, acesso à garagem, ginásio e piscina interior, pequeno-almoço e almoço executivo e 20% de desconto em massagens e tratamentos nos espaços Satsanga Spa & Wellness. «É expectável que esta tendência também tenha vindo para ficar », vaticina o administrador da Vila Galé.

Entrada nos Açores em 2022

Apesar da incerteza que ainda assola o sector do Turismo (veja caixa), o Grupo Vila Galé pretende continuar a investir no seu plano de expansão e tem já dois novos projectos em curso, com abertura prevista para o próximo ano. No Brasil – país onde detém já uma rede de nove unidades hoteleiras -, o grupo está a construir um novo resort, o Vila Galé Alagoas, que ficará situado na região nordeste do país. Este será um resort all-inclusive, com 518 quartos, seis restaurantes, spa, oito salas de reunião e um parque aquático infantil. No total, o projecto representa um investimento de 150 milhões de reais (cerca de 23 milhões de euros) e deverá gerar 600 postos de trabalho.

Já em São Miguel, nos Açores, está em fase de desenvolvimento de projecto e aprovações o primeiro hotel do grupo no arquipélago. Este projecto irá resultar da renovação de parte do edifício sede da Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada, que será assim transformado num hotel de charme. O espaço onde antigamente funcionava o convento e hospital de São Francisco será reconvertido numa unidade hoteleira, com cerca de 100 quartos, restaurantes, bar, piscinas e spa.

Este artigo faz parte do Caderno Especial “Turismo”, publicado na edição de Fevereiro (n.º 295) da Marketeer.

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...