Ode à carne, por Vítor Sobral

É uma viagem pela carne portuguesa, onde os pratos tradicionais portugueses são complementados com peças maturadas, a que o tempo conferiu um sabor único e que justifica o período de espera antes de chegarem aos clientes. No Talho da Esquina, a mais recente aposta do chef Vítor Sobral, é possível usufruir dos prazeres da carne, com propostas para todos os palatos.

Em frente à Assembleia da República, as vitrines recheadas de cortes nacionais não enganam. É ali o Talho da Esquina. Ao entrarmos, somos surpreendidos com um espaço decorado com a arte de Bordallo II, onde, de quando em vez, surge o som da serra de corte que eleva as expectativas quanto ao que chegará à mesa.

O menu proposto surge em crescendo, iniciando-se com um corte que, para muitos, é pouco nobre, mas a que Vítor Sobral confere outra dimensão. Entremeada de porco grelhada, creme de alho e vinagrete de tomate assado.

Seguiu-se um prato menos convencional, mas que honra a tradicional aptidão dos portugueses de aproveitarem todas as partes dos animais. Tutano de bovino no forno com limão, tomate, pinhões, alecrim e salsa. A sua textura única e o seu sabor característico ficam perfeitos nas finas tostas a acompanhar o prato.

Depois, moelas de peru grelhadas, com pimentão da horta e piripiri. Mais um dos petiscos comuns em Portugal, complementado com pickles caseiros.

A fasquia viria a elevar-se com duas excelentes propostas. Na mesma tábua, fomos presenteados com o bife da vazia nacional à cortador e o bife do beijinho Black Angus nacional. Quanto ao primeiro, o seu sabor esteve à altura das expectativas. Mas o segundo, uma estreia para mim, surpreendeu-me pela sua textura e suculência.

A finalizar a viagem pelas carnes nacionais, perdoem o meu francês e contra-senso, mas fomos brindados com a pièce de résistance: costeleta arouquesa com 60 dias de maturação. Antes de chegar à mesa, tivemos oportunidade de ver a peça no seu estado de matéria-prima, pelo que foi normal o salivar gerado por esta iguaria. O cheiro intenso característico surpreende o olfacto e o sabor amanteigado expande-se pelo palato.

Ainda tivemos oportunidade de vislumbrar a mesma peça com 210 dias de maturação, com gordura que se desfaz na boca, um travo semelhante a queijo, intenso, que deixa antever um sabor ainda mais intenso que a sua homónima com menos dias de maturação.

Abandonando os salgados, momento para as sobremesas, com três propostas a surgirem na mesa para todos os gostos. Creme queimado de maracujá, bolo de queijo e frutos vermelhos e, ainda, pudim de mel e laranja. Este último, pela sua textura e riqueza, ficou no topo da preferências, mas a acidez do maracujá ou a leveza do bolo de queijo são igualmente excelentes opções para terminar a refeição.

Para os amantes de carne, é um espaço a visitar, seja para os petiscos como para as peças maturadas. Especialmente estas, cujo tempo de espera compensa até os mais impacientes.

Texto de Rafael Paiva Reis

Ler Mais
pub


Artigos relacionados
Comentários
A carregar...