Paraíso do gourmand

Quem procura as melhores marcas sabe que as encontra no El Corte Inglés. O mesmo se passa com alguns produtos alimentares mais exclusivos. Não é raro, aliás, clientes que vão de propósito ao El Corte Inglés para ir buscar um produto específico. Uma caminhada que tem vindo a ser trilhada, desde a entrada do El Corte Inglés em Portugal com o seu primeiro espaço em 2001.

E o cenário repete-se no que aos vinhos e azeites diz respeito. Se em alguns concorrentes a aposta está nos produtos que mais rodam nas prateleiras, aqui a oferta de vinhos e azeites é muito variada. No caso dos azeites encontra-se o azeite dito normal e o azeite virgem extra. Neste último conseguem segmentar por Denominação de Origem Protegida (DOP), Quinta e Biológico.

No que à garrafeira diz respeito, a oferta do El Corte Inglés é composta por vinhos nacionais e internacionais, generosos e espumantes. «O mercado tem crescido de forma sustentada e apresenta-se bastante dinâmico, tal como a nossa oferta», sublinha Manuel Paula, director de Marketing do El Corte Inglés. No Club del Gourmet é apresentada uma selecção de vinhos e azeites premium e exclusivos. No Supermercado existe um sortido muito alargado e com grande profundidade e qualidade.

Mas tal como em outras áreas de negócio, também aqui o consumidor tem vindo a ter uma evolução. No caso do azeite, o El Corte Inglés tem vindo a notar um aumento na procura de DOP, Quinta e Bio. Já no que respeita aos vinhos, verificam que há uma tendência de maior consumo dos vinhos proseco (espumantes italianos), dos vinhos franceses de gama alta, tanto brancos como tintos. As referências existentes de azeites e vinhos portugueses são sempre superiores, tal como a preferência de consumo.

Mas desenganem-se aqueles que acreditam que portugueses e espanhóis são muito diferentes. «Curiosamente, os nossos clientes têm comportamentos similares no que toca à compra de azeite, sendo que há uma preferência por produtos de origem nacional», sublinha Manuel Paula. Já na compra de vinhos, o comportamento difere no momento da escolha. «Enquanto os nossos “vizinhos” preferem produtos nacionais, em Portugal há um pouco mais de abertura para compra de vinhos internacionais», assegura. Em Portugal, dentro das opções de vinhos nacionais, há um critério de escolha muito focado nas regiões vitivinícolas, como, por exemplo, Douro, Verde ou Alentejo.

Já dentro do território nacional há diferenças entre Norte e Sul. Manuel Paula explica que, como seria expectável, cada loja tem uma venda que apresenta uma preferência pela zona onde está inserida. «Ou seja, na zona Norte notamos que há um maior consumo de azeite produzido naquela região e por vinhos Douro e Verde (branco e tinto). A Sul, o comportamento é mais abrangente, não havendo preferência tão marcada, mas com destaque para o Alentejo.»

E não esqueçamos que o El Corte Inglés tem funcionado como parceiro para a exportação dos vinhos e azeites nacionais, nomeadamente para Espanha. «O El Corte Inglés tem aberto as portas a muitos produtores nacionais para o mercado espanhol, fazendo a ponte para uma apresentação dos produtos no El Corte Inglés Espanha», reforça o director de Marketing. Como importador de vinhos, os principais mercados são Espanha, Itália, França, Nova Zelândia, Chile, Argentina. Adicionalmente, o El Corte Inglés apresenta vinhos de alguns outros países com as suas “especialidades”: IceWine do Canadá, Tokaj da Hungria, Retsina da Grécia, entre outros. Ao nível de volume e valor de vendas, os mercados produtores de vinhos mais relevantes nas vendas em Portugal são Espanha, Itália, França.

Ainda que a curto prazo não esteja previsto o lançamento de algum vinho ou azeite de marca própria, as equipas do El Corte Inglés estão sempre a estudar o mercado e a analisar as oportunidades de negócio.

O Natal é, para todo o retalho e em particular o alimentar, uma altura importante de vendas. Manuel Paula conta que para o El Corte Inglés, sendo o Natal uma das épocas mais importantes do ano, se preparam com quase um ano de antecedência. «Temos os habituais Cabazes de Natal, sugestões de presentes de Natal com promoções, descontos em referências de continuidade e, no caso de azeites, o lançamento de novas referências de “azeite novo” (primeiras colheitas de azeite do presente ano)», salienta.

Gourmet Experience

2018 foi o primeiro ano de funcionamento do Gourmet Experience. «Os resultados foram muito surpreendentes pela positiva. Este ano foi de crescimento e consolidação deste projecto», refere o director de Marketing.

Neste espaço existem sete restaurantes: Jacaré, Tasca Chic, O Poke, Imanol, Cascabel, Balcão e Ribalta. «Estes espaços têm gestão própria que realiza propostas, tanto de vinho como de azeite, ajustadas aos seus clientes e à gastronomia que apresentam», explana o responsável.

Os espaços G Bar e Wine Bar estão integrados no Gourmet Experience e têm tido uma grande aceitação por parte dos clientes. Por um lado, o G Bar apresenta-se mais ao nível de serviço de bar com bebidas e em particular de cocktails.

Por outro lado, o Wine Bar posiciona-se como um espaço de degustação do Club del Gourmet, para beber um copo de champanhe acompanhado por ostras, ou para a degustação de um qualquer produto comercializado no espaço.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Automonitor
Nissan LEAF em modo drift