Widex promove festival inclusivo em Lisboa

Nos próximos dias 16 e 17, o Teatro da Trindade vai ser a casa do primeiro Sounds Like Fest, festival inclusivo promovido pela Widex. A marca de centros auditivos já organizava as Deaf Talks mas desta vez decidiu alargar o evento e apresentar ópera, teatro e show cases especialmente pensados para pessoas com deficiências de audição.

Tiago Nunes, director de Marketing e Vendas da Widex Centros Auditivo, explica à Marketeer que o desafio para esta a expansão do evento chegou da Fundação Inatel, que se juntou à organização. Cuca Roseta, Mafalda Veiga, Dengaz, Fred, Lúcia Moniz, Francis Dale, Sensi, Hélder Moutinho, Pedro Puppe e o projecto Mãos que Cantam fazem parte do cartaz do Sounds Like Fest.

Esta é a primeira vez que as Deaf Talks dão origem a um festival. Porquê optar este ano por um formato deste género, com várias actividades?

O ciclo de conferências Deaf Talks acontece de dois em dois anos e este ano terá a 4.ª edição. A Fundação Inatel lançou-nos o desafio de organizarmos o evento num formato de festival inclusivo, no âmbito da comemoração dos 30 anos da Widex Centros Auditivos e dos 150 anos da Fundação Inatel.

 

tiago nunes widex

Foi difícil encontrar artistas e espectáculos para um festival com estas características?

O desafio de organizar um evento desta natureza foi grande, mas a causa da audição é de facto muito mobilizadora para os artistas, para o universo da cultura e para a população em geral. O festival Sounds Like Fest tem este ano uma causa nobre associada, com o objectivo de democratizar o acesso à cultura da pessoa com deficiência auditiva. A totalidade da receita angariada irá reverter para a instalação de sistemas de apoio à escuta em salas de espectáculo, de forma a melhorar as condições de escuta das pessoas com dificuldades auditivas.

O Sounds Like Fest afirma-se como o primeiro festival inclusivo de cariz social. O que é que isto significa em termos práticos?

O cariz inclusivo do festival Sounds Like Fest é totalmente inovador no nosso País, possibilitando cumprir a missão do próprio evento, ao assegurar o acesso aos espectáculos para pessoas com deficiência motora, deficiência auditiva e deficiência visual. Este festival tem também uma forte componente de solidariedade social, com a totalidade da receita a reverter para equipar salas de espectáculo e auditórios com o sistema de anel magnético.

Em que consiste o sistema de apoio à escuta anel magnético? Que vantagens tem? Em quantos espaços esperam instalá-lo com o montante angariado?

O sistema de anel magnético consiste na instalação de um anel de indução magnética universal para facilitar as condições de escuta a pessoas com dificuldades auditivas, utilizadores de aparelhos e implantes auditivos. As salas que possuem este sistema permitem aos utilizadores de soluções auditivas terem acesso à informação com boas condições de escuta, tornando assim os espaços inclusivos e promovendo o acesso à cultura.

A organização espera equipar cerca de cinco salas de espectáculo com o montante angariado, ao mesmo tempo que acredita que este será um primeiro passo para que esta realidade possa ser alargada a todos os espaços culturais a nível nacional. Estamos actualmente a trabalhar em parceria com a Inspecção Geral das Actividades Culturais para consciencializar os diversos agentes económicos para a importância da inclusão da pessoa com deficiência auditiva.

Considera que a inclusão ainda não faz parte do mindset dos artistas e programadores de espectáculos?

A inclusão da pessoa com deficiência auditiva ainda não faz parte do mindset de artistas e de programadores. A Widex tem feito um grande esforço junto dos músicos, alertando para a necessidade de estes prevenirem a perda auditiva, adoptando boas práticas a nível musical, com a utilização de sistemas in-ear e protectores auditivos.

Com esta iniciativa pretendemos agora sensibilizar as autoridades e os agentes económicos do mundo dos espectáculos para uma maior inclusão da pessoa com deficiência auditiva no seu acesso à cultura e à informação, através da instalação de sistemas que ajudam a melhorar a capacidade de escuta desta população. Estamos a falar de cerca de 15% da população portuguesa que sofre de deficiência auditiva, sendo fundamental para o nosso País que os espaços culturais estejam dotados deste tipo de infra-estruturas.

Para a Widex, em termos de marca, qual é o retorno esperado?

A Widex tem como missão garantir às pessoas com deficiência auditiva as mesmas oportunidades das pessoas com uma audição normal. Enquanto empresa líder na área da reabilitação auditiva em Portugal, a Widex espera que esta iniciativa promova uma vez mais a responsabilidade da marca junto de clientes, parceiros e agentes económicos, na promoção da inclusão e sensibilização da população para a perda auditiva.

Texto de Filipa Almeida

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
CTO da Altice Portugal distinguido como «Inovador do Ano»
Automonitor
Vídeo: Mesa redonda da 2ª conferência do AUTOMONITOR