Vida de Santo António homenageada em triciclo

No Largo de Santo António da Sé, em Lisboa, está estacionado um triciclo em homenagem ao santo casamenteiro. O veículo combina as valências comercial e artística, ao ser simultaneamente um posto de venda ambulante e uma obra de arte.

Por um lado o Triciclo de Santo António coloca à venda um conjunto de artigos relacionados com o próprio santo e a sua história. O destaque vai para as Tábuas de Santo António, biscoitos confeccionados a partir de uma receita centenária à qual foram acrescentados ingredientes alusivos aos vários países por onde o padre franciscano passou. Portugal, Marrocos e Itália são sinónimo de bolachas com sabor a laranja, açafrão e gengibre.

Por outro lado, o triciclo apresenta um dispositivo escultórico da autoria de Carla Rebelo. O veículo transporta uma nogueira, em representação dos ramos onde o santo viveu nos seus últimos dias, perto de Pádua. Desta forma, é criada uma ligação entre a primeira e última morada de Santo António.

O Triciclo de Santo António é o primeiro projecto da marca My Santo António, criada pelos arquitectos Clara Queiroz Lopes e Olivier Pourbaix. A esta dupla juntou-se, mais tarde, o publicitário Jayme Kopke, director criativo da Hamlet.

À Marketeer, os fundadores do My Santo António explicam que o projecto teve início há quatro anos, «com a constatação de que não existe muita oferta ao visitante do Largo de Santo António, que se dirige à estátua do santo lisboeta sem ter necessariamente a intenção de entrar na igreja ou no museu».

A missão da marca é, por isso, proporcionar uma experiência relacionada com o santo complementar à visita destes monumentos. Daí a aposta nas Tábuas de Santo António, produzidas pela empresa familiar Bolacha da Feira. No triciclo vendem-se também caixinhas com duas velas artesanais da Caza das Vellas Loreto. Para já, estes são os únicos produtos disponíveis, mas é expectável que o catálogo aumente.

Os fundadores da My Santo António revelam ainda que contam com o apoio da Igreja no desenvolvimento deste projecto. A igreja de Santo António da Sé cedeu, por exemplo, uma fotografia da imagem do santo para ser utilizada nas embalagens dos biscoitos. Têm também o apoio do Museu de Santo António e da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, que concedeu a autorização de ocupação permanente do largo como vendedores ambulantes.

Clara Queiroz Lopes e Olivier Pourbaix esclarecem que «embora possa circular em certas ocasiões, a ideia é que o triciclo permaneça no largo, por este ser o epicentro do ‘fenómeno antoniano’». Os produtos desenvolvidos pela My Santo António poderão, porém, «vir a ser comercializados noutros pontos de venda».

Texto de Filipa Almeida

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo