Vendas de Perecíveis sobem, Lacticínios descem

O sector do retalho, incluindo alimentar e não alimentar, registou um crescimento de 1,8% no primeiro semestre deste ano, face ao período homólogo anterior. O sector atingiu os 8,5 mil milhões de euros em volume de vendas, de acordo com o Barómetro de Vendas da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).

A justificação para a subida ligeira prende-se especialmente com o comportamento do retalho alimentar, cujas vendas aumentaram 3,5%. As categorias de Perecíveis e Bazar Ligeiro foram as que mais aceleraram – 9,8% e 6% respectivamente. Já os Lacticínios caíram 3,4% relativamente ao primeiro semestre de 2015.

Quanto ao retalho não alimentar, verificou-se uma quebra de 0,7%, ainda que algumas categorias tenham crescido. Os Bens de Equipamento subiram 3,2%, devido em grande parte às vendas das subcategorias Linha Branca (máquinas de lavar roupa e loiça e frigoríficos) e Electrónica de Consumo (sobretudo televisões).

Quanto às vendas com promoção, o barómetro indica que passaram dos 39,7% no primeiro semestre do ano passado para os 44,8% este ano. Ana Isabel Trigo Morais, directora-geral da APED, considera que o aumento confirma que os portugueses «continuam a dar muita atenção à procura de bens com a melhor relação preço-qualidade».

Já o peso das marcas de distribuição desceu 1,4% face aos primeiros seis meses de 2015.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Qual é, afinal, o papel do líder?
Automonitor
Maratonas condicionam trânsito em Lisboa (conheça as vias afetadas)