Uma portuguesa em Madrid

susanaalbuquerque2

Se tudo correr como planeado, o leitor está agora à sombra de um toldo às riscas a comer uma bola de Berlim. Em Setembro, ao ler a próxima edição da Marketeer, vai encontrar um artigo sobre portugueses a trabalhar lá fora e, pura coincidência, vai descobrir que eu também estou nesse artigo.

Como saí do País em Julho, a minha história não é a de uma portuguesa que fez sucesso fora de Portugal, mas apenas a história de uma portuguesa que acaba de chegar a Madrid. Dedico estas linhas a esse tema menos popular que o das biografias dos emigrantes de sucesso. Como é sair de Portugal e aterrar em Espanha, noutra língua, noutro mercado e num sistema operativo que funciona em espanhol? É igual? É diferente? É melhor ou é pior?

Com 30 dias de trabalho aqui posso dizer com segurança que Madrid é igual e é diferente, e é melhor e é pior do que Portugal.

É igual porque em Madrid como em Lisboa as agências lutam por margens encolhidas, têm saudades dos tempos em que se ganhava dinheiro para pagar bem o tempo e o talento e dar muito lucro, e tentam reinventar-se para responder a clientes que exigem cada vez mais trabalho em diferentes disciplinas pelo qual querem pagar menos.

É diferente porque ainda há agências onde a maior parte das pessoas que lá trabalham são seniores e porque ainda há clientes que pagam para ter as agências a trabalhar em concurso. Com todas as dificuldades e riscos que um concurso sempre traz, e num mês posso dizer que vou na 3.ª apresentação de um mesmo concurso para um mesmo briefing, é pelo menos higiénico saber que há um cliente que está a pagar pelos recursos que a agência investe, ou seja, o cliente está a pagar para manter três agências a pensar sem parar na sua marca durante várias semanas consecutivas, quando nenhuma delas tem a certeza de alguma vez vir a produzir algum desses trabalhos. Trabalhar em Espanha também é diferente de trabalhar em Portugal, porque uma empresa de telecomunicações espanhola é também uma das maiores operadoras da Europa, tal como uma energética aqui é uma das quatro maiores energéticas do mundo. Diferente, não necessariamente melhor.

Mas vamos à parte em que Espanha é melhor, e aqui recordo que falo de primeiras impressões, com um mês de experiência de agência. É melhor trabalhar em Espanha do que em Portugal porque há muitas ganas. Também há gente ram-ram como em todo o lado, aquele tipo que põe as culpas nos outros por aquilo que não faz. Mas a maioria das pessoas tem uma vontade de Hércules de mostrar que é capaz de virar o barco. Às ganas soma-se o orgulho. Esta gente acredita no que diz, ou pelo menos empenha-se em convencer disso toda a gente à volta. Do presidente ao account mais júnior passando pelo taxista, há uma segurança inata que se transforma em conversa e capacidade de venda de uma ideia, e que é meio caminho andado para convencer qualquer um de que com 40 graus à sombra talvez seja melhor ter um aquecedor em casa. Ajuda a capacidade que os espanhóis têm de debitar duas ou três palavras por segundo, quase todos são grandes contadores de histórias, e nada me convence que não foi por isso que se escaparam à troika.

Depois há o horário de Verão. Em Espanha significa que em Julho e em Agosto a entrada na agência é às 8h00 e que se trabalha sem parar até às 15h00, hora em que se vai para casa fugir do calor para logo às 9 ou às 10 da noite estar numa esplanada à beira da estrada a beber umas canas e a picar presunto. Há algo a aprender aqui com os nossos irmãos, que pelo facto de atrasarem o almoço para as 3 da tarde, se permitem trabalhar sete horas seguidas sem parar. O que para mim sempre foi uma parte do dia meio empata, falo das manhãs (chegas, bebes um café, comentas o filme de ontem, vais ao Facebook, são 11 da manhã, trabalhas uma ou duas horas e vais almoçar), aqui são sete horas de produção concentrada que equivalem a dias de trabalho de 10 ou 12 horas em Portugal. Esta gente percebe de siesta e de fiesta, mas sabe mais ainda de produtividade.

E deixo para o fim o melhor de Portugal, porque também existe e me anima. Essa parte somos nós, os portugueses, um povo desenrascado e criativo, o que é obviamente uma qualidade, porque nos torna mais aptos. Sabemos fazer paella sem marisco. Como somos menos, mais periféricos e com menos recursos, somos todo-o-terreno e estamos habituados a fazer o que é preciso para resolver a situação. Como me apresentavam há dias a um grupo de potenciais clientes: “É portuguesa e como todos os portugueses trabalha bem e não sabe o quão boa é.” Só nos faltam as ganas, a autoconfiança e uma boa liderança.

Texto Susana Albuquerque, Directora creativa executiva Tapsa Y&R madrid

Fotografia  Paulo Alexandrino

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...