Sumol+Compal perde 2,5 milhões de euros no primeiro trimestre

Entre Janeiro e Março, a fabricante de bebidas Sumol+Compal obteve um prejuízo de 2,51 milhões de euros, que compara com um lucro de 202 mil euros no mesmo período do ano passado. A companhia pondera assinar parcerias estratégicas para consolidar o negócio em Portugal e crescer no mercado externo.

No período em análise, o volume de negócios da Sumol+Compal recuou 15,5% homólogos para 58,8 milhões de euros, de acordo com o comunicado enviado pela empresa à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As vendas regrediram 15,7% para 56,2 milhões de euros, sendo que 43,2 milhões foram gerados no mercado português, onde a actividade da empresa caiu 12,3%. Já no mercado internacional, as vendas da empresa diminuíram 25,4%, com o maior abrandamento a fazer-se sentir no mercado angolano.

O cash flow operacional (EBITDA) atingiu 4,4 milhões de euros, que representa um decréscimo de 50,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Face a estes resultados, a Sumol+Compal lembra que o mercado das bebidas de alta rotação foi prejudicado, no que diz respeito às vendas (quer em volume quer em valor) pelo aumento do IVA na maioria das categorias. “Em Portugal, para além do impacto muito negativo a que se assistiu com o agravamento da fiscalidade nos mercados de bebidas de alta rotação, estes mercados foram também influenciados no primeiro trimestre por um ritmo recessivo da actividade económica, o que implicou uma quebra na dinâmica do consumo privado, tendo as condições climatéricas sido relativamente neutras”, acrescenta a empresa no comunicado.

A empresa assume que “procurará identificar parcerias estratégicas que contribuam para a consolidação do negócio em Portugal e para o crescimento nos mercados internacionais”, até porque prevê que o mercado nacional das bebidas de alta rotação continue a “apresentar decréscimos”.

 

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Tem dificuldade em encontrar espaços para conferências? Há salas renovadas em Lisboa.
Automonitor
Volvo quer impacto climático neutro em 2040