Seat junta óculos 3D ao lápis e papel

Para desenhar o novo Ibiza, a Seat recorreu a uma metodologia que combina meios tradicionais e as últimas tecnologias. Segundo a marca, trata-se de uma junção do trabalho criativo e artesanal e dos avanços da tecnologia, incluindo óculos 3D.

Foi precisa uma equipa de 200 designers para chegar ao resultado final, que estará disponível já no próximo mês. Tudo começou com mais de dois mil esboços feitos com recurso a lápis e papel. Deste total, apenas um desenho segue para a etapa seguinte, sendo que deverá servir de base para a personalidade do novo modelo.

Segue-se a realização de sketches em 3D, de modo a garantir que a estética e a criatividade respondem às exigências técnicas necessárias. Nesta fase, os esboços são transformados em projectos tridimensionais.

O momento seguinte obriga à utilização de um programa semelhante ao usado para a criação de videojogos ou filmes de animação. Com óculos Full HD, os engenheiros conseguem registar as primeiras sensações de como é estar ao volante do veículo, ainda que em modo virtual. O objectivo é reduzir em 10 vezes o tempo de produção.

Restam apenas quatro etapas no processo de criação de um novo modelo. A primeira delas é a construção de um automóvel em argila e em tamanho real, para que a ideia possa ser, finalmente, apreciada ao vivo.

Segue-se a procura pela cor ideal. Chegam a ser experimentadas 100 fórmulas diferentes para a obtenção da tonalidade perfeita, segundo explica a Seat. O penúltimo passo está relacionado com o tacto: além da cor, existe uma preocupação com as texturas encontradas no exterior e no interior do veículo.

Por fim, é preciso ter em atenção o volante. Este é forrado 100% à mão, com uma agulha curva orientada por um costureiro. É também ele quem desenha os padrões utilizados.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo