Redes sociais são “mais viciantes do que o tabaco e o álcool”

facebook1Hoje em dia, é mais difícil resistir ao apelo de actualizar o estado no Facebook ou no Twitter do que fumar ou beber. Esta é a conclusão de um estudo elaborado por investigadores da Booth School of Business da Universidade de Chicago.

O estudo dos investigadores norte-americanos, publicado no jornal Psychological Science, avaliou os comportamentos de 250 utilizadores e os cerca de oito mil acessos que estes realizaram aos seus perfis nas redes sociais, durante o tempo em que estavam a ser seguidos, com o objectivo de aferir a capacidade humana para resistir aos desejos mais frequentes no dia-a-dia, incluindo no local de trabalho.

O estudo, citado pelo jornal britânico The Telegraph, revela que, apesar de o sono e o sexo serem as duas actividades pelas quais as pessoas mais anseiam durante o dia, a necessidade de permanecer actualizado em relação ao que se passa nas redes sociais, como o Facebook ou o Twitter, é a mais difícil de controlar. Por outro lado, o tabaco ou o álcool apresentam, segundo a investigação, «níveis de desejo muito menores, apesar da sua reputação de serem [produtos] aditivos».

Os investigadores da Booth School of Business da Universidade de Chicago concluíram ainda que, durante o dia, os nossos esforços constantes para resistir a determinadas tentações enfraquece a nossa força de vontade, tornando esses desejos ainda mais urgentes. “À medida que o dia passa, a força de vontade diminui e a probabilidade de os esforços de autocontrolo falharem torna-se maior”, explica Wilhelm Hofmann, o investigador que liderou o estudo.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Acompanha aqui o lançamento oficial do Sapo Prime, uma nova forma de comprar conteúdos jornalísticos
Automonitor
Europa: Vendas da Hyundai superam mercado