Portugueses confiam ou não na internet?

Apesar de o comércio electrónico ser uma tendência crescente, ainda existe um elevado nível de desconfiança em relação ao mundo online: 83% dos portugueses não estão confortáveis em partilhar os seus dados pessoais com certas marcas e sites de compras.

De acordo com o estudo “Observador Cetelem Consumo 2017”, realizado a nível europeu, os portugueses são mesmo os mais desconfiados – 19 pontos acima da média. Os espanhóis surgem logo a seguir. No extremo oposto, encontram-se os dinamarqueses e os búlgaros. São estes os consumidores que menos receiam comunicar dados online.

O mesmo estudo indica que os portugueses estão entre os que menos confiam na descrição dos produtos (70%) e que também não estão à vontade com os prazos de entrega. O serviço pós-vendas é o assunto que maiores dúvidas levanta.

Por outro lado, os portugueses confiam mais nas opiniões e comentários de outros consumidores (66%). Os inquiridos nacionais revelam, ainda, níveis significativos de confiança na internet em geral: 43% dos portugueses confia na World Wide Web.

Destaque ainda para as conclusões do “Observador Cetelem Consumo 2017” no que diz respeito às práticas colaborativas online. A compra e venda de objectos, livros e vestuário usado a particulares fica-se pelos 39%, contra a média europeia de 44%. Também a partilha de automóvel e a troca de bens ou serviços entre particulares fica abaixo da média.

O mesmo não se verifica no aluguer de casas ou apartamentos entre particulares. Os 16% registados em Portugal estão em linha com a média verificada nos países inquiridos pelo estudo.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Estes 10 benefícios vão ser os mais desejados pelos colaboradores em 2020
Automonitor
Os peculiares protótipos que a Daihatsu vai levar a Tóquio