Novo iPad pulveriza recorde de vendas no lançamento

the_new_ipadA Apple vendeu mais de três milhões de unidades do seu tablet de terceira geração, denominado simplesmente “iPad”, nos primeiros quatro dias. O antecessor, o iPad 2, precisou de 80 dias para alcançar estes números.

O novo tablet da Apple,que foi lançado na passada sexta-feira em 10 países, incluíndo Estados Unidos, Japão, Alemanha e Reino Unido, atingiu assim no fim-de-semana de estreia o “lançamento de iPad mais forte de sempre”, segundo anunciou ontem Phil Schiller, director do departamento de Marketing da Apple, citado pelo Financial Times.

De acordo com a publicação britânica, o modelo anterior, o iPad 2, comercializou 300 mil dispositivos no primeiro dia. Ao contrário do modelo mais recente, o iPad 2 foi, no ano 2010, lançado em exclusivo no mercado norte-americano, e só 15 dias depois chegou a outros mercados, o que ajuda a explicar a discrepância nas vendas dos dois modelos.

Esta sexta-feira, o novo iPad chega às prateleiras de 24 países, incluíndo Portugal. O tablet de terceira geração da empresa sediada em Cupertino, Califórnia, apresenta como principais novidades um processador de quatro núcleos, denominado A5X, o acesso a redes móveis 4G LTE (funcionalidade que não estará disponível, pelo menos por enquanto, na Europa), e um ecrã de 9,7 polegadas com tecnologia Retina Display, que lhe confere quatro vezes mais pixels que o modelo anterior.

O novo iPad prepara-se assim para assumir um papel de destaque no portefólio daquela que é a cotada mais valiosa do mundo. Ontem, a Apple anunciou o pagamento, pela primeira vez desde 1995, de dividendos pelos seus accionistas (2,65 dólares por acção), para além de um programa de recompra de acções. Com estas medidas, a tecnológica americana estima redistribuir cerca de metade (45 mil milhões de dólares) do seu balanço, avaliado em 97,6 mil milhões de dólares (cerca de 74 mil milhões de euros).

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo