Mariza, Inês Castel-Branco e Clara de Sousa inspiram Barbie

Clara de Sousa, Inês Castel-Branco, Isabel Stilwell, Jessica Athayde, Joana Astolfi, Maria da Conceição, Mariza, Patrícia Mamona, Rita Cardoso Pinto, Luísa Sobral e Teresa Tomé são as vencedoras de 2017 dos Barbie Awards. A distinção que no ano passado galardoara outras 13 mulheres realiza-se pela segunda vez em Portugal (e no resto do mundo).

«Faz sentido continuar a distinguir as mulheres portuguesas e, mais precisamente, estas mulheres portuguesas. A nossa mensagem continua a ser o “Tu podes ser o que quiseres” e achamos que estas são mulheres que podem ensinar e inspirar esta nova geração de meninas a serem diferentes», explicou à margem do evento à Marketeer Sara Marçal, directora de Marketing da Mattel. Na opinião da responsável da empresa, nada melhor do que fazê-lo com pessoas que estão próximo delas «e que elas veem todos os dias e sentem que são daqui, e não com uma superstar americana longe da vida delas». A ideia, explana, é mostrar-lhes que qualquer pessoa pode fazer a diferença.

Sara Marçal garante que a escolha das galardoadas é difícil de fazer. «Escolhemos mulheres que se destaquem e que não tenham associações políticas. A Mariza nem precisa de apresentações já que é uma embaixatriz de Portugal pelo mundo inteiro e tem uma história de vida fantástica. A Maria da Conceição é uma das pessoas menos conhecidas do público em geral, mas suporta cem famílias no Bangladesh; corre pelo mundo inteiro e foi a única pessoa no mundo inteiro a correr sete maratonas em sete semanas seguidas para recolher fundos para sustentar essas famílias. Outra das nomeadas menos meditáticas, a doutora Teresa Tomé, é directora da Maternidade Alfredo da Costa e foi responsável pela recuperação de milhares de bebés em risco em Portugal. São mulheres que inspiram. Falamos também da Jessica Athayde que tem, pela sua postura em relação à auto-estima, tem ajudado imensas crianças.»

Em comum, são mulheres que têm contributo na sociedade e que são próximas das mães e das meninas portuguesas. Uma proximidade importante para a marca que, nos anos mais recentes tem vindo a notar que há um aumento da importância das mães na decisão das crianças. Sara Marçal explica que «enquanto há cinco anos sabíamos que as crianças escolhiam o que queriam, faziam as listas de Natal e uma grande percentagem do que estava nessas listas era-lhes oferecido incondicionalmente e os pais faziam tudo para dar, hoje é diferente. Já se notou no Natal passado que as mães voltaram a ter o poder, como era no meu tempo de criança. Podíamos querer o mundo, mas se a mãe não gostava, azar».

Hoje as mães têm influência no que os miúdos querem e, mesmo depois de escolhido, as mães podem decidir não dar, se não concordarem. «Por isso temos de trabalhar cada vez mais esta mensagem para as mães. Seja em que marca for no infantil se não concordarem e não gostarem simplesmente sai do seu consideration set e nem sequer põe em questão», assegura a directora de Marketing.

Veja aqui os discursos das vencedoras que estiveram presentes na cerimónia de entrega das bonecas personalizadas ao início da tarde de hoje.

Texto de Maria João Lima

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Quantas faltas justificadas pode dar no trabalho?
Automonitor
As ideias (brilhantes) da Skoda