Marcas de luxo dinamizam lucro da Volkswagen

Porsche Logo 15_2No terceiro trimestre fiscal, o Grupo Volkswagen, o maior fabricante automóvel europeu, obteve um lucro operacional de 2,78 mil milhões de euros, o que representa uma subida de 19,9% em relação aos 2,32 mil milhões de euros acumulados no período homólogo do ano passado. O crescimento no mercado chinês e a maior procura mundial pelos modelos de luxo das marcas Audi e Porsche ajudaram a mascarar a crise no mercado europeu.

Entre Julho e Setembro, as vendas do grupo caíram 3,8%, em termos homólogos, para 47 mil milhões de euros, mas as medidas de redução de custos têm ajudado a compensar a tendência de quebra das vendas no mercado europeu. «Estamos focados numa política disciplinada de custos e na gestão de investimentos, bem como em optimizar todos os nossos processos. Se juntarmos os nossos produtos fantásticos à equação, acreditamos que este é o caminho certo no sentido de nos tornarmos ainda mais competitivos», afirma em comunicado Hans Dieter Pötsch, chief financial officer (CFO) do Grupo Volkswagen. «Isto torna-se particularmente importante tendo em conta que o ambiente económico não deverá melhorar a curto prazo», acrescenta.

No período em análise, o grupo germânico vendeu um total de 2,37 milhões de veículos, mais 1,5% em relação ao período homólogo do ano passado. A produção também subiu 2,3%, para 2,35 milhões de unidades.

No que diz respeito aos primeiros nove meses do ano, o Grupo Volkswagen reportou um lucro operacional de 8,56 mil milhões de euros, menos 3,4% em relação ao período homólogo, enquanto as receitas consolidadas subiram 1%, para 145,67 mil milhões de euros. No total, o grupo vendeu 7,24 milhões de veículos, o que representa um incremento de 3,8%.

Entre Janeiro e Setembro, a Porsche – cuja aquisição por parte do Grupo Volkswagen ficou concluída em Agosto de 2012 – vendeu um total de 115 mil veículos e obteve um lucro operacional de 1,9 mil milhões de euros. Já a Audi praticamente manteve o volume de vendas, mas registou uma quebra do lucro operacional para 3,7 mil milhões de euros, contra 4,2 mil milhões no período homólogo, o que fica a dever-se sobretudo aos “grandes investimentos em novos produtos e tecnologias, bem como à expansão de fábricas”. Já as vendas da marca Volkswagen caíram 3,8%, para 3,5 milhões de veículos, enquanto a Skoda registou uma quebra de 4,9%, para 524 mil unidades.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Estes 10 benefícios vão ser os mais desejados pelos colaboradores em 2020
Automonitor
Os peculiares protótipos que a Daihatsu vai levar a Tóquio