Marca portuguesa cria cocktails de vinho e fruta

A marca de vinhos Aleixo, de Anadia, desenvolveu uma gama de cocktails que misturam vinho e fruta. A nova gama foi desvendada, pela primeira vez, na Prowein, a maior feira de vinhos do mundo, que terminou ontem em Düsselorf.

A gama de coktails de vinho é composta por quatro sabores: mirtilo, maracujá, lima/kiwi e frutos silvestres. Ao sabor frutificado junta-se um baixo teor alcoólico (apenas 5,5%), características que pretendem cativar um público menos acostumado a beber vinho.

«Temos uma tradição muito longa na produção de vinho, mas tínhamos dificuldades nalguns mercados onde as pessoas não tinham contacto, por razões culturais, com este tipo de produto. Entendemos que o lançamento de uma gama de cocktails de vinho seria uma forma de combinar o vinho com fruta e levar a que os consumidores que não estão tão habituados ao sabor do vinho façam essa transição», afirma Ricardo Aleixo, CEO da Real Cave do Cedro, que detém a marca Aleixo. De acordo com o responsável, este é um produto mais vocacionado para «o target feminino e mais jovem», e que deverá apontar a momentos de consumo fora das refeições.

Os cocktails de vinho da Aleixo têm por base vinho branco, produzido com castas Maria Gomes e Bital, na adega da Real Cave do Cedro, localizada em Poutena (Anadia). A cor dos produtos é obtida de forma natural pela mistura com os frutos, também produzidos localmente pela empresa, com excepção do maracujá, que é importado.

Os produtos serão, numa primeira fase, lançados fora de Portugal, tendo já a Real Cave do Cedro recebido encomendas para mercados como os países escandinavos, Reino Unido e alguns mercados asiáticos onde a empresa já está presente com outros produtos. Serão comercializados nos formatos 330 e 750 ml. «A curto-médio prazo pretendemos lançar também em Portugal, mas ainda não temos data prevista. Talvez no final deste ano, início do próximo», refere Ricardo Aleixo.

Para além da Aleixo, a Real Cave do Cedro produz e comercializa as marcas Cedro (a que tem maior representatividade nas vendas), Boca do Lobo, Retiro do Marquês ,Terras do Cedro e Vinosi. A empresa exporta 75% da sua produção, com destaque para mercados asiáticos como o Japão, Coreia do Sul, Hong Kong e China.

Texto de Daniel Almeida, em Düsseldorf

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
7 formas para se voltar a apaixonar pelo seu trabalho
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo