Lumina volta a invadir Cascais com “Cores e Formas”

Arranca sexta-feira, prolongando-se até domingo dia 23, a 7.ª Edição do Lumina Festival da Luz, que se apresenta como “o maior festival de luz do País”.

À semelhança do que aconteceu em edições anteriores, o festival volta a iluminar as noites de Cascais com instalações de luz artísticas, projectos interactivos e vídeo mappings imersivos, espalhados pela vila de Cascais nas zonas da Baía, Marina, jardins e ruas da vila. Com o tema “Cores e Formas”, a viagem criada pelo atelier OCUBO conta com a participação de artistas nacionais e internacionais que guiam o público ao longo de um percurso dinâmico de experiências emocionais e sensoriais. Entre as obras destaque para a “Oficina das Pessoas” que, com a participação da Renault, conta com o maior chão interactivo alguma vez visto em Portugal.

Nuno Maya e Carole Purnelle, directores artísticos de OCUBO, explicam à Marketeer quais as novidades que os visitantes podem esperar deste evento em 2018.

maya

De que maneira é que o Lumina de 2018 vai conseguir surpreender os visitantes habituais do evento?

O Lumina 2018 será, com certeza, uma das mais coloridas edições do festival mais luminoso do País. Várias novidades, nunca vistas nem vividas em Portugal, vão dar corpo ao Festival, seja através de desfiles com formas coloridas, video mapping imersivos e multidiciplinar ou projectos interactivos pioneiros que irão surpreender os visitantes.

Especial destaque para Oficina das Pessoas, uma instalação interactiva desenvolvida com a Renault. Trata-se do maior chão interactivo alguma vez visto em Portugal, que permite ao público embarcar numa viagem sensorial por diferentes conceitos e que pretende recarregar a vida das pessoas – o conceito da nova campanha do Renault Zoe. A área de interacção ganha cores e formas à medida que os participantes interagem e se movimentam nela. Uma experiência interactiva única e emocionante!

Os franceses Picto Facto vão, igualmente, surpreender os visitantes do Lumina, com a sua colorida performance Lampadophores. Pela primeira vez, o festival conta com este animado desfile que irá deambular entre a Baia e a Marina de Cascais. São oito estruturas insufláveis de diferentes tamanhos, formas, cores e padrões, projectadas como fantoches gigantes e música a acompanhar. Com duas sessões diárias – 20h30 e 22h30 – é um momento que não pode perder.

A Colours and Forms é uma projecção 360º que explora a evolução das formas numa viagem imersiva através de vídeo projecção, música e dança. No interior da Cidadela de Cascais, este video mapping multidisciplinar e 360º com conteúdos visuais produzidos pelo atelier OCUBO e música ao vivo de The BLKBRDS e dança dos JUKEBOX crew, é uma obra única e um verdadeiro tributo ao tema da edição deste ano.

O LUMINA X é também um novo conceito apresentado nesta 7ª edição do Festival. Com o apoio da MSC Portugal na cedência de vários contentores de carga, LUMINA X é um espaço que vai iluminar a Marina de Cascais com obras de carácter experimental e desenhadas especialmente para este formato. Este ano são cinco os contentores que vão dar corpo à expressão artística Light Metamorphosis do artista francês Laurent Fort.

Já o artista holandês Ivo Schoofs vai apresentar a Large Pendulum Wave. Situada na Baía de Cascais, esta obra de 12 metros é um fenómeno físico baseado em 15 pêndulos independentes de diferentes comprimentos e cores, ajustados com precisão para o período de balanço e montados num quadro estável. Devido à diferença de comprimentos, a frequência de oscilação é diferente para cada pêndulo. Não há motores ligados aos pêndulos, o trabalho é apenas pura gravidade e surpreendentes padrões.

O que trará o tema deste ano em termos de inspiração?

Este ano o Lumina dedica o seu tema às Cores e Formas. A origem das Cores e os seus mistérios, capturadas pelas Formas que evoluem de linhas para contornos e posteriormente para estruturas mais complexas, são apenas algumas das abordagens artísticas que são encontradas no Lumina. Sob a forma de projectos contemplativos, video mappings, performances, desfiles ou ainda projectos interactivos, que têm sempre como base comum a luz, o objectivo é celebrar Cores e Formas em todas as suas nuances, sentidos e aspectos, mas também permitir aos visitantes, interpretarem livremente diferentes formas de expressão, interagirem e participarem nas obras artísticas, proporcionando-lhes uma experiência única.

O Festival foi considerado pelo The Guardian como um dos 10 melhores Festivais de Luz na Europa. Qual a importância dessa distinção para a divulgação e captação de visitantes para o evento a nível internacional?

Esta atribuição pelo The Guardian é bastante relevante, não necessariamente para a divulgação e captação de visitantes, mas sim para os nossos parceiros comerciais e/ou institucionais que reconhecem a importância e relevância desta distinção.

O Lumina recebeu o Selo EFFE 2017-2018 Remarkable Festival. Qual o significado desta distinção para OCUBO?

Trata-se de uma distinção bastante relevante no meio artístico e institucional. Ter esta distinção é um enorme benefício para o Festival, uma vez que é um reconhecimento não só da qualidade e profissionalismo do evento, bem como de todos os intervenientes: artistas, equipa, assistentes.

Qual o peso do evento Lumina no volume de negócios de OCUBO?

Em 2017 foi de 5,5%.

Em termos de número de visitantes nacionais e internacionais, qual tem sido a evolução?

O numero de visitantes têm aumentado anualmente. O Lumina é visitado por mais de 400 mil pessoas. Uma vez que todos os anos o percurso é iluminado por artistas nacionais e internacionais, há uma maior adesão de visitantes internacionais.

Como surgiu o projecto “Oficina das Pessoas” e a ligação à Renault?

O “Oficina das Pessoas” surgiu da vontade de estreitar e aprofundar a relação que o Festival tem com a Renault. Sendo pelo terceiro ano consecutivo, além de parceira, a marca automóvel oficial do Lumina, surgiu a ideia de criarmos, em conjunto, o maior chão interactivo em Portugal, associados a uma marca de renome nacional, e Oficina das Pessoas nasceu.

Trata-se de uma instalação interactiva que permite ao público embarcar numa viagem sensorial por diferentes conceitos, e que pretende recarregar a vida das pessoas – o conceito da nova campanha do Renault Zoe. Ao entrar na área da projecção e à medida que nela se movimentam, os participantes interagem com o maior chão interactivo em Portugal que ganha cores e formas.

O projecto usa sensores de movimento (suspensos) que fazem com que haja uma interacção entre o participante e o chão interactivo. O chão vai estar ligado ao carro e será simulada, através de luz led, a passagem da energia do carro para as pessoas.

“Oficina das Pessoas”

No âmbito do projecto “Oficina das Pessoas”, a Marketeer falou também com Susana Doutor, Advertising manager da Renault, que explicou os motivos na base da ligação da marca automóvel ao evento que se realiza em Cascais.

Em que contexto surgiu a ligação da Renault ao Lumina?

Renault

A nossa presença no Lumina já vai na terceira edição e esta continuidade justifica-se pelos pontos de encontro que tem com o Renault Zoe a vários níveis. É um festival de luz que está intrinsecamente relacionado com o eléctrico, é um festival de arte visual que destaca o nosso design, é um festival para milhares de pessoas, de todos os perfis e idades, tal como a Renault.

A “Oficina das Pessoas”  nasce da necessidade de demonstrarmos às pessoas o quão estamos empenhados em fazer com que a mobilidade eléctrica seja uma realidade viável para todos. Queremos fazer parte, activamente, de um mundo melhor, em que a tecnologia serve para tornar a vida das pessoas melhor: mais silenciosa, mais conscienciosa, com menos custos e mantendo a liberdade de cada individuo. Mais do que dizer “Não compre um carro, compre uma vida melhor”, o claim da nova campanha do Renault Zoe, queremos proporcionar uma experiência de uma vida melhor às pessoas, da qual faz parte o eléctrico Renault Zoe.

O que é que os visitantes podem esperar deste projecto, em específico?

Este ano a nossa presença vai assumir um nível não antes visto nas edições anteriores. Vamos assumir uma obra interactiva em parceria com o OCubo. Esta instalação artística, constituída pelo maior chão interactivo alguma vez criado em Portugal – são cerca de 620m2 -, leva as pessoas numa viagem sensorial à medida que se movimentam nele. Uma experiência que os visitantes não vão querer perder.

O que ganha a Renault com esta associação?

Acreditamos que a relação das marcas com as pessoas é feita de dar e receber, como qualquer relação. Este evento permite-nos criar e dar às pessoas, de lhes proporcionar um momento de diversão e alegria, uma sensação de bem-estar. A nossa razão de existência, aquilo que a Renault faz é com o intuito de tornar a vida das pessoas mais fácil e melhor. No Lumina deste ano vamos tornar o dia das pessoas melhor através do Renault Zoe. É isto que ganhamos, promover uma experiência relevante para as pessoas com o Renault Zoe.

Em termos materiais e humanos, o que implica por parte da Renault?

Implica um patrocínio – um investimento financeiro que consideramos ter retorno, caso contrário não estaríamos hoje aqui pelo terceiro ano consecutivo, e muito empenho das equipas envolvidas, da Renault, do OCUBO, das agências. Sabemos que os eventos têm sempre associado um nível de risco elevado, cabe às equipas de terreno diminui-lo e fazer acontecer para que os visitantes consigam desfrutar em pleno.

Veja algumas das imagens do Lumina 2017.

Texto de Maria João Lima

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Qual é, afinal, o papel do líder?
Automonitor
Maratonas condicionam trânsito em Lisboa (conheça as vias afetadas)