Lucros da Intel caíram 13% em 2013

intel-quark-wearables_2O mercado dos computadores está em quebra acentuada, e os fornecedores também estão a sentir os efeitos da crise. No ano passado, a fabricante norte-americana de processadores e chips Intel Corporation obteve um resultado líquido de 9,6 mil milhões de dólares (cerca de 7,1 mil milhões de euros), o que representa uma quebra de 13% em relação ao ano anterior.

Em 2013, as receitas da companhia deslizaram 1%, para 52,7 mil milhões de dólares (38,9 mil milhões de euros), enquanto os proveitos operacionais caíram 16%, para 12,3 mil milhões de dólares (9,1 mil milhões de euros). A margem bruta da companhia recuou 2,3 pontos percentuais, para 59,8%, adianta a Intel em comunicado de imprensa.

A unidade de computadores da Intel acumulou receitas de 33 mil milhões de dólares (24,3 mil milhões de euros), menos 4% em relação a 2012. Já os custos com Investigação & Desenvolvimento, marketing, administração e gastos gerais cifraram-se em 4,8 mil milhões de dólares (3,5 mil milhões de euros), superando “ligeiramente” as estimativas da companhia.

Não obstante, no último trimestre de 2013 a companhia registou uma melhoria na sua performance. O resultado líquido subiu 6%, em relação ao trimestre anterior, para 2,6 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros), enquanto as receitas progrediram 3%, para 13,8 mil milhões de dólares (10,2 mil milhões de euros). Por sua vez, a unidade de computadores aumentou as receitas em 2%, face ao trimestre anterior.

«Tivemos um último trimestre sólido, com sinais de estabilização no segmento de PC e crescimento financeiro face a um ano atrás», sublinha Brian Krzanich, CEO da Intel. «Construímos uma base sólida para o nosso negócio, trazendo inovação para o mercado mais rapidamente através de uma ampla gama de plataformas de computação. Por exemplo, na CES [Consumer Electronics Show], demonstrámos vários dispositivos que não estavam no nosso roteiro há seis meses», conclui.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
Primeiro Porsche 911: Uma obra-prima alemã