Internautas clicam mais em vídeos in-stream

Os internautas prestam mais atenção aos anúncios que incorporam vídeo online. A conclusão é de um estudo da empresa de soluções integradas de publicidade online MediaMind, sobre a eficácia dos vídeos in-stream na publicidade digital. A investigação teve por base mais de três mil milhões de impressões de vídeos em todo o mundo, publicadas ao longo do primeiro semestre deste ano. A taxa de CTR (click-through-rates) em vídeos online é 27,4 vezes superior à de um banner tradicional, e quase 12 vezes mais elevada que a de anúncios de rich media.

No desenvolvimento do estudo a MediaMind teve em conta as métricas comuns, disponíveis para cada formato de vídeo. Além do CTR foram calculadas as taxas de finalização nos vídeos visualizados por completo, para VAST (Video Ad Serving Template) e VPAID (Video Player-Ad Interface Definition), standards definidos pela IAB (Interactive Advertising Bureau).

Foram ainda analisadas as taxas de interacção dos consumidores com os anúncios mediante o critério VPAID. «Observámos a crescente importância que os profissionais de marketing e as agências publicitárias atribuem à interactividade dos vídeos, e o estudo explica porquê», adianta Seneca Mudd, director de Industry Services e presidente da Digital Video Committee do IAB, citado pelo Marketing News. «Os standards VAST e VPAID permitem à comunidade de especialistas de marketing aumentar a implicação real das experiências criativas vitais, através de mensagens de vídeo», defendeu o mesmo responsável.

Ainda de acordo com o estudo da MediaMind, os utilizadores contemplados mostraram mais 10% de propensão a ver anúncios de vídeos interactivos (VPAID) até ao final, que um anúncio de rich media com vídeo, o que demonstra que a publicidade com vídeos interactivos apresenta um maior impacto que os vídeos standard.

A taxa de interacção geral de acordo com o VPAID foi de 9,57%, que é o mesmo que dizer que praticamente um em cada dez utilizadores interagiu com um anúncio durante a sua reprodução através de um jogo, por exemplo. As taxas de interacção alcançaram máximos superiores a 500% (cinco interacções por anúncio e por campanha), em algumas das campanhas analisadas, que revelaram um maior impacto.

«À medida que o formato de vídeo for conquistando o seu lugar, os profissionais de marketing terão a liberdade de se centrar simplesmente na adaptação dos seus anúncios criativos de vídeo a qualquer plataforma, seja ela a televisão, online ou móvel» adiantou Ricky Liversidge, director de Marketing da DG, plataforma de gestão e distribuição de anúncios. «Estes dados globais», continuou «são a prova tangível de que os consumidores estão muito interessados em conhecer marcas através de vídeos online».

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo