Há uma nova agência de meios em Portugal

A Glocally Media Agency, agência de meios especializada em comunicação local, anunciou a sua chegada a Portugal, através de quatro escritórios no País.

A Glocally assume-se como especialista em geo e hiper localização, focada em clientes nacionais com necessidades de comunicação locais. Com recurso a comunicação digital e offline e com um conhecimento profundo local de cada região, pretende proporcionar às marcas uma nova forma de se afirmarem a nível regional e local. Com sede em Espanha, e com mais de três anos de actividade, irá fixar-se em Lisboa, Porto, Faro e Funchal.

«Mais do que trabalhar as marcas, o nosso foco está em trabalhar as lojas, levar as pessoas às mesmas e gerar vendas. O que propomos são estratégias adaptadas a cada geografia e às necessidades da mesma. É necessária uma visão local, levando o nosso know-how de comunicação profissional às realidades regionais», afirma Teresa Lopes, country manager da Glocally.

À equipa portuguesa juntam-se, enquanto Office directors, Marlene Ferreira (no Porto, responsável pela zona Norte), Nuno Aires (em Faro, cabendo-lhe as zonas do Alentejo e Algarve) e Margarida Azeredo Alves (business developer em Lisboa e responsável pela zona Centro). Para o escritório no Funchal, a Glocally ainda está em processo de recrutamento.

A operação em Portugal será apoiada a partir de Madrid, gerando sinergias, com a finalidade de responder às necessidades de empresas que operem nos dois mercados. «Portugal é, para a Glocally, uma garantia natural de crescimento e uma grande oportunidade para aceder a novos mercados, onde a entrada de PME’s espanholas se está a revelar muito positiva», refere Fran Ares, CEO da Glocally.

Com esta operação, a Glocally consegue ter presença em toda a Península Ibérica, contando com 13 escritórios e 50 colaboradores.

Texto de Rafael Paiva Reis

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo