Fnac e La Redoute podem ser vendidas

O grupo de artigos de luxo PPR está a preparar a alienação da retalhista de bens tecnológicos e culturais Fnac e da Redcats, que inclui a loja online de roupa La Redoute, avança o jornal francês Le Journal du Dimanche.

De acordo com a mesma fonte, a estratégia do grupo francês liderado por François-Henri Pinault passa por abandonar o negócio da distribuição (do qual fazem parte a Fnac e a La Redoute) para se concentrar nas suas marcas de luxo e artigos desportivos, como a Gucci e a Puma, consideradas mais rentáveis.

Citando uma fonte ligada ao processo, a agência Reuters adianta que o plano de alienação da Fnac não está ainda totalmente decidido, podendo consistir numa operação de spin-off ou na colocação da marca no mercado através de uma oferta pública inicial (IPO), embora a primeira opção seja mais provável. A mesma fonte revela que a administração do grupo irá comunicar a sua decisão amanhã, após uma reunião, ainda que o plano fique dependente da aprovação dos accionistas do grupo.

Já a La Redoute pode ser oferecida a investidores americanos, como o fundo de investimentos TPG, informou o Le Journal du Dimanche.

Segundo a Reuters, há há alguns anos que o grupo PPR, o terceiro maior grupo de artigos de luxo do mundo (atrás da LVHM e da Richemont), tem procurado desfazer-se dos seus negócios na área da distribuição para se focar nos segmentos de luxo e desportivo. O grupo detém marcas de luxo como Yves Saint Laurent, Balenciaga, Bottega Venetta, Stella McCartney e Alexander McQueen, e pretende aproveitar a expansão do mercado na China.

A Fnac registou um prejuízo operacional de 7,5 milhões de euros no primeiro semestre, enquanto as marcas de luxo do grupo PPR obtiveram lucros combinados de 727,1 milhões de euros.

Após os rumores, as acções da PPR valorizaram 3%, o que pode indicar que os investidores apoiam a venda da Fnac e da La Redoute.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
Está grávida? Veja o que deve (e não deve) fazer se for conduzir