“F*ck, Marry, Kill” transformou-se em jogo (e é português)

Há uma nova aplicação a nascer da startup que cria startups a que a comOn chamou Build Up Labs. Trata-se da app FMK, acrónimo para !F*ck, Marry, Kill!, que tem como objectivo trazer para o mundo real um dos jogos mais populares com base numa realidade hipotética.

Em comunicado, a Build Up Labs garante que não se trata somente de uma aplicação de encontros. A FMK pode ser usada exclusivamente como um jogo, sem a outra a componente associada.

O login é feito através do Facebook. A partir daí, os utilizadores podem escolher que actividade realizariam com uma combinação de três outros utilizadores: sexo, casar ou matar. Após cada decisão, surge um novo dilema na mesma linha. Caso o voto seja recíproco, a aplicação coloca os dois utilizadores em contacto, através de um chat na aplicação.

Com mais de cinco mil utilizadores em Portugal, a FMK promete responder à seguinte questão: “Será que quando olham para nós nos vêem mais como alguém para casar, para uma one-night stand ou simplesmente nos querem deixar em modo zombie?”

Guilherme Duarte, gestor de produto da FMK e humorista responsável pelo blog “Por Falar Noutra Coisa”, garante que o facto de estar um jogo associado à possibilidade de encontros torna a experiência muito social. «Os nossos utilizadores dizem que a parte mais divertida da app é jogar em conjunto com amigos e amigas e ver as diferentes opiniões de cada um», explica.

O responsável refere ainda que já é possível identificar dois tipos de utilizadores. Existem os que estão lá pela diversão e jogo em si e aqueles que querem conhecer pessoas novas. «Seja como for, o feedback até agora tem sido de que a FMK é viciante, algo que podemos ver nos números», acrescenta Guilherme Duarte, referindo-se ao facto de mais de 90% dos utilizadores acederem todos os dias à app e usarem-na durante mais de 20 minutos diariamente.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
A sua empresa pode fazer sorrir crianças hospitalizadas. Saiba como.
Automonitor
Já conhece os novos sinais de trânsito?