Facebook promove posts individuais

A partir de hoje, os utilizadores norte-americanos do Facebook poderão pagar à rede social para ter os seus posts destacados e minimizar, dessa forma, o risco de que os mesmos passem despercebidos nas timelines dos seus amigos.

«Por vezes, um amigo pode não ter reparado no seu post, sobretudo se muitos dos seus amigos publicaram mensagens recentemente e a sua história não está no topo», afirma Abhishek Doshi, engenheiro de software do Facebook, no blogue da rede social. «Quando promove um post – quer sejam fotografias de um casamento, uma venda de garagem ou novidades importantes – está a elevá-lo no mural, aumentando as probabilidades de os seus amigos o verem», explica.

Apesar de ser agora lançado (ainda que em fase de testes) no mercado norte-americano, o serviço de “posts promovidos” estreou em Maio passado na Nova Zelândia, e desde então foi alargado a cerca de 20 países, de acordo com o site da cadeia televisiva CNN. O custo do serviço não foi divulgado oficialmente, mas o site especializado em tecnologia The Verge avança que terá um preço inicial de sete dólares (aproximadamente 5,40 euros). O serviço está apenas disponível para pessoas que tenham menos do que 5000 amigos e/ou subscritores na rede social.

O Facebook não especificou durante quanto tempo é que um “post promovido” poderá permanecer no mural dos amigos do utilizador, mas garatiu que assim que é visualizado será tratado como um post normal e desaparece naturalmente. O novo serviço é ainda acompanhado por uma ferramenta que compara o número de pessoas que viram o post antes e depois de o utilizador ter decidido promovê-lo. O mesmo serviço está também, desde Maio passado, disponível para empresas e marcas.

Mil milhões de utilizadores activos

O Facebook anunciou hoje que atingiu a barreia dos mil milhões de utilizadores activos, e lançou uma campanha para comemorar este feito. Em Maio passado, antes de entrar em bolsa, a rede social tinha pouco mais de 900 milhões de utilizadores activos.

O anúncio foi feito esta manhã por Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, na sua página da rede social, onde partilha ainda o vídeo de agradecimento aos utilizadores. «Nós acreditamos que a necessidade de nos abrirmos e ligarmos é aquilo que nos torna humanos. É o que nos aproxima. É o que confere significado às nossas vidas», afirma Zuckerberg.

Com esta campanha, o Facebook pretende «honrar» todas as coisas que a humanidade foi produzindo ao longo dos anos e que, à semelhança do Facebook, foram tornando possível que as pessoas se liguem, tais como as cadeiras, as campainhas, os aviões ou as pontes. «E agora o Facebook é uma parte desta tradição de coisas que nos ligam uns aos outros», conclui.

A campanha contou com criatividade da Wieden & Kennedy.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo