Ex-McKinsey dedicam-se à produção de cerveja

Era na consultoria que Bruno Carrilho e Nuno Melo tinham o seu ganha-pão. Mas um dia decidiram mudar de vida. E mudaram. Radicalmente. Hoje são os rostos que estão por detrás da Musa, uma das mais recentes marcas de produção de cerveja artesanal no mercado português. Bruno Carrilho – que esteve a viver uma temporada nos EUA, onde a craft beer responde já por 20% do mercado de cervejas – acredita que se está a assistir à transformação de uma indústria. «Daqui a uns anos nem se falará em artesanal, pedir-se-á apenas uma cerveja. Será inimaginável ir a um restaurante e só ter uma marca de cerveja, tal como hoje o é só ter um vinho», assegura.

Mas voltemos um pouco atrás, mais precisamente a 2015, quando, como de produção de cerveja pouco sabiam, Bruno e Nuno abriram um processo de recrutamento global e, depois de várias entrevistas por skype, ficam entusiasmados com o norte-americano Nick Rosich, master Brewing no Siebel Institute (Chicago) e actualmente head brewer na Pennsylvania Brewery (Pittsburgh). Estava criado o trio que daria corpo e alma às Musas.

Segundo explicam os sócios, “Musa Cerveja Independente” é um projecto focado na produção, distribuição e venda de cerveja artesanal no mercado ibérico, apostando na democratização do acesso a um público muito mais vasto do que o actual, e nos mercados maduros de exportação, Inglaterra, Escandinávia e EUA, onde existe já um mercado significativo para “cervejas do mundo”.

O projecto, incubado na Startup Lisboa, está neste momento a fechar a sua primeira ronda de financiamento privado tendo também obtido incentivos do programa Portugal 2020. Prevê criar mais de 15 postos de trabalho nos próximos cinco anos e pretende, a médio prazo, exportar grande parte da sua produção. Mas o mercado piloto é o português. E é por cá que pretende, por agora, concentrar as energias.

Para já a Musa está a apostar em três variedades até porque não quer tornar complexa a decisão dos consumidores que têm ainda um percurso a percorrer para aprender a apreciar as diferenças das cervejas artesanais. As Mick lager (4,5% Vol), Red Zeppelin Ale (5,0% Vol) e Born in the IPA (6,5% Vol) estão actualmente disponíveis em 20 espaços em Lisboa e 20 no Porto.

socios musaMas Nuno Melo deixa em aberto a criação de novas variedades que poderão vir a ser experimentadas na fábrica que em Marvila estará aberta ao público para visitas e que terá um bar para consumo no local. «Será uma forma de irmos testando o gosto do consumidor em relação a novidades que estejam a ser preparadas», disse à Marketeer, não pondo de parte a possibilidade de virem a criar uma variedade sem glúten se sentirem que é um desejo dos visitantes.

O edifício industrial que virá a ser a fábrica da Musa vai agora entrar num processo de requalificação. A escolha de Marvila para a futura casa da Musa também não foi por acaso. Trata-se de uma zona da cidade associada a indústrias criativas e independentes, uma nova corrente artística que a Musa quer ver de perto e fazer parte. «Está a desenvolver-se e a marca revê-se neste crescimento. Poderá ser o início de um beer district já que há uma outra cervejeira já instalada e uma terceira para abrir», diz Nuno Melo.

De parte não está, também, a produção para terceiros da mesma forma que nesta fase inicial a Musa está a ser produzida na Oitava Colina, acrescentou o mesmo empreendedor.

Texto de Maria João Lima

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Apresentações estratégicas dão mote a nova academia em Lisboa
Automonitor
Hyundai NEXO: 6 coisas que precisa saber