dreamMedia também contesta concurso de publicidade exterior

A par da MOP e da JCDecaux, também a dreamMedia participou no concurso de publicidade exterior da cidade de Lisboa. Perante o relatório final divulgado esta semana, a empresa decidiu recorrer da decisão tomada pelo júri.

Cerca de sete meses após a MOP ter sido declarada vencedora do concurso, através das empresas Cartazes & Panoramas I e Cartazes & Panoramas II, o júri volta atrás na decisão e decide excluir as propostas do grupo.

A contestação por parte da dreamMedia diz respeito à JCDecaux, que saiu favorecida desta reviravolta. De acordo com a dreamMedia, a JCDecaux “esqueceu-se” de assinar electronicamente as propostas submetidas. “Este é um erro jurídico-formal que foi apontado por todos os outros candidatos e que deveria ter sido motivo de exclusão das suas propostas”, refere, em comunicado.

A dreamMedia refere também que esta será a argumentação da sua empresa Alargâmbito, que ficou em primeiro lugar no Lote 2 após a exclusão da MOP. Caso consiga eliminar a JCDecaux da corrida, seria a Cemusa a gerir o Lote 1.

«Por que razão uma empresa multinacional se sente tão protegida que comete erros formais destes num concurso com esta responsabilidade?», questiona Ricardo Bastos, CEO da dreamMedia. Em comunicado, garante que irá recorrer a todas as instâncias judiciais mas que espera bom senso por parte da Câmara Municipal de Lisboa.

Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Portugal atraiu 610 estrangeiros «altamente qualificados» através deste programa
Automonitor
Regulamento da mobilidade elétrica obriga a celebrar contratos de adesão