Domínio da tecnologia

MARKETEER CONTENTS

A digitalização dos novos negócios e dos já existentes não é uma opção, mas sim uma inevitabilidade. E as empresas e instituições precisam de estar preparadas para responder a este desafio

O Mestrado em Marketing e Negócios Digitais da Universidade Portucalense (UPT) viu a sua primeira edição concretizar-se em Outubro de 2017.

Pedro Ferreira, coordenador deste mestrado, explica quais são os principais objectivos desta formação: conceber e implementar soluções de suporte à criação de negócios digitais no mundo global; conceber e implementar soluções que permitam integrar a dimensão digital em modelos de negócio tradicionais; integrar e promover uma cultura de inovação no contexto do negócio; adoptar uma filosofia de marketing no desenvolvimento e gestão de negócios; integrar as ferramentas tecnológicas na gestão de negócios, desde a recolha, organização, análise, exploração e disseminação de informação; resolver problemas de negócio e marketing em ambiente digital, fazendo uso de métodos e técnicas de investigação científica, comunicando e defendendo de forma clara a proposta de soluções; e saber usar e seleccionar ferramentas digitais de suporte ao marketing e a novos modelos de negócio.

O mestrado destina-se a quem pretende apostar numa área emergente, diferenciadora e com um potencial enorme de crescimento, quer em termos de criação de novos negócios, quer em termos de necessidade de profissionais competentes e qualificados.

Os alunos do Mestrado em Marketing e Negócios Digitais da Universidade Portucalense são, essencialmente, jovens, com idades compreendidas entre os 23 e os 29 anos. A formação de base é muito diversificada, mas a mais preponderante está relacionada com áreas de economia e gestão.

Alterações no mercado de trabalho

O coordenador do Mestrado em Marketing e Negócios Digitais da Universidade Portucalense explica a opção de juntar, no mesmo curso, as componentes de marketing e negócios digitais: «A gestão das organizações e dos negócios tem vindo a sofrer alterações indeléveis em resultado dos avanços no domínio tecnológico.

Por um lado, assiste-se à emergência de negócios de base tecnológica, mas também à necessidade de incorporação das potencialidades e características das novas tecnologias nos modelos tradicionais de gestão.»

Daí que a digitalização dos novos negócios e dos já existentes já não seja uma opção, mas sim uma inevitabilidade. «As empresas e instituições necessitam de responder a este desafio da era global e digital, com uma nova cultura empresarial protagonizada por novos gestores.»

O responsável não tem dúvidas que as tendências no marketing e negócios digitais que se vêm desenhando há uns anos se vão intensificar no futuro. E explica: «No consumo, a desmaterialização, a simplificação do processo de consumo e a experiência de consumo de base digital estão entre os grandes desafios.

Para as organizações, dar resposta a este desafio será a base da vantagem competitiva. E nós no Mestrado de Marketing e Negócios Digitais temos os professores, os métodos e as ferramentas para contribuir para este objectivo.» A combinação do marketing, dos negócios e do digital apresenta-se como o aspecto diferenciador do Mestrado em Marketing e Negócios Digitais da UPT face às restantes ofertas a nível de mestrado.

É por isso, na opinião de Pedro Ferreira, mais do que uma formação em marketing digital. «Com as competências adquiridas ao longo desta formação, o estudante estará apto para desenvolver e operacionalizar estratégias de negócio capazes de dar resposta aos desafios da economia digital.» No contexto actual e, muito mais nos próximos anos, as competências digitais não são um luxo nem uma opção. «São uma necessidade.

Ter competências digitais está ao nível de competências básicas como saber ler e escrever. É impensável não as dominar. E não apenas para quem está mais ligado à área digital, por via da profissão ou do sector de actividade em que actua, mas todos sem excepção», garante Pedro Ferreira.

O coordenador do Mestrado da Universidade Portucalense explica que os conteúdos programáticos deste curso reflectem esta abordagem inovadora, combinando temas fundamentais para o desenho estratégico – como a estratégia, tendências de consumo, marketing estratégico e operacional e gestão de marcas –, com temas que permitem a operacionalização da estratégia – como a comunicação integrada nos meios digitais, marketing intelligence, marketing analítico, laboratórios digitais e comércio electrónico.

Face a anos anteriores, na edição deste ano estão a ser reforçados os pontos fortes e diferenciadores deste curso. A ligação ao mercado e ao que se passa no mundo do consumo e no mundo empresarial vai continuar, com a combinação de académicos e profissionais na leccionação das disciplinas. «Esperamos ainda introduzir um programa de ligação às empresas, com uma forte componente de problem solving e de real cases», revela o profissional.

E porque se trata de um mestrado com ADN digital, vão continuar a intensificar a componente de aulas à distância do mestrado, de modo a enriquecer a experiência de aprendizagem dos alunos, mas também como um modo de lhes dar mais flexibilidade na forma como aprendem e se relacionam com a Universidade.

Entre as saídas profissionais mais habituais, destaque para as funções relacionadas com as áreas do marketing e do digital das organizações, públicas e privadas, com ou sem fins lucrativos, nomeadamente a definição de estratégias blend (online e offline), a comunicação digital, o marketing digital, a gestão de redes sociais, o customer relationship management (CRM), a gestão de comércio electrónico, o data-mining e análise do consumidor.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...