Design e licor resultam em Ginja Lisboa

«Reabilitar um produto típico português, lisboeta, que está adormecido na sua comunicação com os clientes.» É este o objectivo de António Pinto Leite e Tiago Oliveira Santos ao criarem a Ginja Lisboa. Os dois são sócios da MadHouse, empresa de design de comunicação que já assinou trabalhos para marcas como Purina, Nescafé Dolce Gusto e Coca-Cola, e aventuraram-se no novo projecto no início deste ano. Dezembro marca o lançamento da Ginja Lisboa.

Pensada essencialmente para turistas, como explica António Pinto Leite à Marketeer, a nova ginja pode ser uma embaixadora de Lisboa por todo o mundo. No entanto, também os portugueses estão a aderir ao licor, encarando-o como «uma boa opção para oferecer». Considerada por muitos como a bebida oficial da cidade, explica a marca, a ginginha surge, agora, com nova cara e com uma receita exclusiva, fruto de uma parceria «com uma destilaria que quis abraçar este projecto», elaborando «um licor com uma receita original».

“Lisboa numa garrafa” é a imagem de marca da  Ginja Lisboa que aposta no design para se destacar. Para tal, António Pinto Leite conta que trabalharam com o ilustrador Nuno Saraiva, criativo responsável pelas ilustrações da última edição da Festas de Lisboa e ligado ainda à Associação Renovar a Mouraria. O objectivo era encontrar um profissional que «espelhasse no packaging todo o potencial que a marca tinha para oferecer».

O resultado são quatro layouts diferentes com os nomes “O Fado”, “O Infante”, “O Marujo” e “O Marquês”, sendo que os três últimos estão disponíveis somente no site da Ginja Lisboa. “O Fado” pode ainda ser encontrado em garrafeiras, lojas de produtos gourmet e lojas turísticas.

«Queremos que o consumidor da Ginja Lisboa tenha uma experiência de sabor e que possa levar um pouco de Lisboa para casa.»

Texto de Filipa Almeida

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
Está grávida? Veja o que deve (e não deve) fazer se for conduzir