Compras de Natal: portugueses preferem centros comerciais

Em Portugal, 67% das pessoas prefere fazer as suas compras de Natal em centros comerciais. Segundo a Deloitte, trata-se de um valor bastante acima da média europeia, ainda que se registe uma quebra de 7% em relação ao ano passado. Em segundo lugar, surgem os hiper e supermercados, logo seguidos pelas lojas de rua. Os portugueses são também aqueles que mais tencionam comprar presentes em outlets.

Relativamente ao comércio electrónico, verifica-se que os portugueses continuam a privilegiar as lojas físicas, contrariando a tendência europeia. Destaca-se somente a subida no m/commerce (via smartphone ou tablet) que, apesar de continuar a apresentar valores reduzidos, começa a captar a atenção dos mais jovens (18-34 anos).

A Deloitte revela ainda que o top 3 dos canais onde os portugueses pretendem comprar os seus presentes de Natal este ano continuará igual ao de 2017: lojas físicas, seguidas por websites (via computador) de marcas com um ou mais espaços físicos e website (via computador) de marcas sem lojas físicas.

Quanto aos presentes que esperam receber, a lista é liderada por livros e chocolates. O “Estudo de Natal 2018” da Deloitte indica que existem, contudo, ligeiras diferenças se analisarmos as previsões por género: as mulheres deverão receber chocolates, cosméticos/perfumes e livros; ao passo que os homens acrescentam os alimentos e bebidas ao top de presentes mais prováveis. Quando se fala de crianças e adolescentes, é necessário ainda ter em conta os brinquedos e os jogos, respectivamente.

A Deloitte destaca ainda a entrada da roupa de desporto no top 10 dos presentes mais prováveis de receber pelos portugueses, substituindo os restaurantes.

«No que se refere ao tipo de presente mais procurado estamos em linha com os resultados obtidos na Europa, mas somos um dos países mais conservadores na utilização do comércio electrónico quando comparados com a generalidade dos europeus. Regista-se, no entanto, um aumento na adesão ao m-commerce», afirma Pedro Miguel Silva, associate partner da Indústria de Consumer da Deloitte.

Pesquisas e pagamentos

Quando o tema é pesquisa e comparação de preços ou características, os portugueses mostram-se fãs dos sites das próprias lojas. Só depois surge o Google e os sites das marcas/fornecedores.

O “Estudo de Natal 2018” da Deloitte dá conta, ainda de que, chegada a hora de pagar, o método preferencial é o cartão de débito – não só em Portugal como na maioria dos países europeus. O segundo lugar é ocupado pelo pagamento em dinheiro.

Isto se falarmos de compras em lojas físicas. Passando para as lojas online, a coroa pertence ao cartão de crédito (+20% do que em 2017), à frente de digital wallets como PayPal.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo