Companhias aéreas terão recorde de lucros em 2014

plane8-550x350_2No próximo ano, a indústria da avição deverá obter lucros recorde de 19,7 mil milhões de dólares (cerca de 14,3 mil milhões de euros, ao câmbio actual). As estimativas são da Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA, na sigla original), que reviu hoje em alta as suas previsões quer para este ano quer para 2014.

De acordo com a associação, as transportadoras aéreas deverão terminar este ano com resultados positivos combinados na ordem dos 12,9 mil milhões de dólares (9,3 mil milhões de euros), o que representa uma melhoria de 10% em relação à previsão anterior de 11,7 mil milhões de dólares. O aumento do número de passageiros, os menores custos com combustíveis, a maior eficiência e a retoma da economia global são apontados pela IATA como os principais factores para a expansão da indústria.

Em 2013, a indústria da aviação deverá «superar pela primeira vez os três mil milhões de passageiros, aumentando para 3,3 mil milhões em 2014», afirmou hoje numa conferência de imprensa em Genebra Tony Tyler, director-geral da IATA.

O responsável alertou, no entanto, para o facto de as margens de rentabilidade da indústria continuarem «fracas». Em 2013, as margens de rentabilidade deverão situar-se em 1,8%, valor que compara com o de 1,1% registado no ano passado. No próximo ano a estimativa é que essa margem atinja os 2,6%. «Não estamos a recompensar os nossos accionistas em linha com o risco, a complexidade e o valor que são inerentes à indústria da aviação», referiu Tony Tyler.

Ainda segundo a IATA, os lucros por passageiros deverão subir para 4,13 dólares em 2013, o que compara com os 2,49 dólares em 2012. No próximo ano, deverão atingir os 5,94 dólares.

Em termos de receitas, as previsões da IATA – que representa 240 companhias que cobrem 84% do tráfego aéreo – apontam para valores de 743 mil milhões de dólares (540 mil milhões de euros), em 2014.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
O impacto da Inteligência Emocional nas empresas
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo