Compal apela à ajuda a Moçambique

Na sequência dos ciclones que afectaram Moçambique, a Compal, em parceria com a Associação Portuguesa de Apoio a África (Apoiar) e a SIC Esperança, lançou uma edição limitada em Portugal que reverte a favor deste país.

A campanha, apelidada “Ajude-nos a Ajudar Moçambique”, consiste em reverter o valor integral das vendas do Compal da Terra para a reconstrução e equipamento de duas escolas daquele país. Esta iniciativa abrange 1541 crianças e jovens, contribuindo também para o fornecimento de refeições diárias e material escolar aos alunos do ensino básico destas escolas durante um ano.

«A Sumol+Compal tem uma presença relevante em Moçambique, onde emprega 112 colaboradores e está junto das pessoas através da marca Compal, muito querida e apreciada pelos moçambicanos. Sentimos de forma bastante próxima estas tragédias que afectaram o país e, desde logo, surgiu a pergunta: como poderemos fazer algo mais para ajudar? Algo que seja positivo, que envolva os portugueses e que traga um pouco de Moçambique às nossas mesas com a marca Compal, mas em que todo o montante recebido seja directamente encaminhado para ajudar quem precisa», afirma Duarte Pinto, presidente da Comissão Executiva da Sumol+Compal.

Compal da Terra nasceu precisamente em Moçambique, sendo feito com manga, ata (anona), banana e malambe. A imagem do Compal da Terra é uma homenagem à Capulana – o tradicional tecido das mulheres moçambicanas, símbolo da história e da cultura do País.

«Ao nível das necessidades ainda sentidas na área, não podemos deixar de destacar a escassez de alimentos e a necessidade crítica de fazer chegar refeições diárias a centenas de crianças. Fazê-lo em contexto escolar, em escolas reconstruídas, equipadas de forma adequada e com os necessários materiais escolares, é uma outra vantagem importante desta iniciativa que promove assim o regresso a uma certa normalidade para o dia-a-dia destas crianças e das suas famílias», afirma Helena Ribeiro Teles, presidente da Apoiar.

Mercedes Balsemão, presidente da SIC Esperança, sublinha que «a educação, como forma de quebrar o ciclo de pobreza e ajudar crianças e jovens no caminho para uma vida melhor, é uma preocupação primordial da SIC Esperança. Sensível às causas humanitárias e particularmente à tragedia que assolou Moçambique, a SIC Esperança associou-se à Compal e à Apoiar, na reconstrução de duas escolas destruídas na região do Dondo».

O arranque das obras acontece este mês, com duração prevista até Dezembro.

Ler Mais
Artigos relacionados
Comentários
A carregar...

Multipublicações

Human Resources
Patrões portugueses são os menos instruídos da Europa
Automonitor
História: O dia em que o Papamóvel foi salvo